Postado em por Redação em NotíciasEducação

URL da notícia
+ -

Comercialização de TCC's ganha adeptos em faculdades de Maceió

Trabalhos de conclusão de curso são vendidos a R$ 1 mil


Por Redação

A venda de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) vem se popularizando entre estudantes de faculdades em Maceió, que ao invés de elaborarem a pesquisa, necessária no fim da graduação, chegam a investir em média R$ 1000,00 para concluir o curso. Para isso, existem pessoas especializadas, inclusive com pós-graduação na área jurídica, que vão nas salas de aula e divulgam que fazem trabalhos acadêmicos.

Quando alguém se interessa, o “vendedor” passa os contatos e após o acerto, sugere temas para a pesquisa. Há informações de que a demanda é grande, principalmente no final do ano, pois existe uma disciplina obrigatória na grade dos cursos que é específica para a elaboração do trabalho.

O Cadaminuto entrou em contato com uma mulher que afirmou vender os trabalhos por R$ 700,00, valor que pode ser divido em duas vezes. O TCC é feito por partes, possibilitando ao graduando levar os capítulos para serem corrigidos pelo orientador. Mesmo sabendo que a prática existe, as faculdades podem ter dificuldade para identificar a fraude.

Porém, o comércio lucrativo pode ser crime, prevendo pena de reclusão de 1 a 4 anos, além de multa para quem vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, empresta, troca ou tem em depósito, com intuito de lucro, original ou cópia de obra intelectual, produzidos ou reproduzidos com violação de direito autoral.

De acordo com a coordenadora do curso de comunicação do Centro de Estudos Superiores de Maceió (Cesmac), Cristina Brito não é possível ter 100% de certeza quando um TCC não foi feito pelo graduando que o apresenta. No entanto, ela afirma que no processo de elaboração do trabalho é preciso que o professor fique atento quanto à metodologia científica e embasamento do aluno.

“Em alguns cursos nem é preciso fazer a apresentação. A pesquisa tem que mostrar teorias e resultados e é aí que podemos ter uma idéia da capacidade da pessoa em elaborar o trabalho. O orientador tem que fazer um acompanhamento individual. Me pergunto que tipo de profissional compraria um TCC, porque a pessoa já está com o pé no mercado de trabalho e investiu tempo e dinheiro no curso”, destacou.

Ela lembrou que a pesquisa não serve apenas para obter uma nota final e sim, para ajudar no aprendizado, incentivando uma postura para a vida profissional. “Tem a questão ética também. Aqui nunca tivemos notícias de alguém que comprou o TCC, mas se acontecesse, o trabalho seria reprovado e o aluno precisaria se rematricular na disciplina”, ressaltou.

Um estudante, que preferiu não se identificar, afirmou que pretende comprar o TCC, já que o prazo para a entrega do trabalho está se esgotando. Ele afirmou não ter vocação para a vida acadêmica e consequentemente, para pesquisas e ainda, que só quer conseguir logo o diploma, apesar do investimento financeiro.

“Esses trabalhos acadêmicos são mais para quem quer seguir o ramo. O que eu tinha que aprender já aprendi. Não investiria R$ 1000 porque sei que tenho capacidade pra fazer o TCC, mas para evitar a perda de tempo prefiro não fazer. Quem teve a idéia de comprar não fui eu e sim, a menina que faz dupla comigo. Conseguimos por R$ 300,00, mas estou mais preocupado que ela, já que o período para a entrega do pré-projeto é ate a próxima semana”, destacou.

Questionado sobre a falta de ética na ação ele ressaltou que isso não tem a ver com sua atuação acerca do que a profissão exige. Ele contou que uma amiga sua estava sem dinheiro e resolveu lucrar com a venda de TCCS. “Garanto que sou mais capaz que muita gente que tá aí no mercado, que tem o diploma ou não exerce a profissão, por isso acho desnecessário o TCC. Uma miss Alagoas contratou os serviços da minha amiga e tirou 10. Já ela ficou com 9,5”, revelou.

URL da notícia
+ -

Deixe seu Comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

comments powered by Disqus