Cada Minuto

buscar

Postado em por Anna Cláudia Almeida em NotíciasMaceió

Esquerda alagoana perde espaços diante da movimentação dos caciques políticos

Partidos alagoanos que já ocuparam o poder – como o PDT – deve seguir nas sombras de outras legendas

Por Anna Cláudia Almeida

É impossível falar de qualquer cenário político sem citar os partidos de esquerda que sempre assumiram o discurso da igualdade social, da ética na política, dentre outras bandeiras. São aqueles que integram um lado da corda com ideologias voltadas ao trabalhador. A esquerda sempre teve papel importante no Brasil; e em Alagoas não foi diferente.  Com o mensalão petista já houve um abalo.

Todavia, em Alagoas – diante das movimentações dos caciques políticos – os partidos que tinham este discurso acabaram ficando na sombra de outras legendas maiores. São coadjuvantes. No processo que ase anuncia, por exemplo, a tradicional “terceira via”, que sempre tinha uma candidatura alternativa ou anticandidatura, ainda sequer se movimento.

O operário que chegou ao top sendo eleito presidente do país pode ser citado como a figura mais marcante dessa história de luta, com vitórias, mas também de derrotas. No cenário local, as diferenças não são tão gritantes, já que membros da esquerda sempre marcaram o nome em movimentos sindicais e garantiram a empatia, ou antipatia, da sociedade.

Mas parece que a roda gigante no mundo político vem deixando a esquerda alagoana numa posição não muito atraente para os olhares dos seus militantes. O que se percebe que um caminho na contramão do que acontece no restante do país, cujo os nomes esquerdistas mantêm a força para conquistar o espaço e colocar lideranças no poder. 

Nas atuais disputas eleitorais por exemplo, o Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Democrático Trabalhista (PDT) e Partido Socialista Brasileiro (PSB), grandes mestres nesse viés, seguem à sombra de outros partidos. Às vésperas da corrida eleitoral, não há nomes de destaque que sairão como candidatos para o governo e mesmo aqueles políticos que já têm uma história nos partidos, devem ficar apenas como coadjuvantes.

Leia reportagem completa no CadaMinuto Press já nas bancas. 

Deixe seu comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.