Postado em 16/04/2013 às 19:18 por Redação em Maceió

Unicompra da Ponta Verde é interditado após recomendação do MP

Por Redação

Unicompra da Ponta Verde

Reprodução - Facebook

A unidade do supermercado Unicompra, no bairro da Ponta Verde, foi interditada na noite desta terça-feira (16), após uma recomendação do Ministério Público Estadual (MPE/AL). Policiais do Batalhão Ambiental estiveram no estabelecimento, cumprindo a determinação da Secretaria Municipal de Proteção ao Meio Ambiente (Sempma).

O secretário da Sempma, Raphael Wong, através da assessoria de comunicação da Prefeitura de Maceió, informou que o supermercado não tem autorização do órgão para funcionar. De acordo com a Sempma, a solicitação a licença ambiental foi feita na última segunda-feira (08), poucos dias antes da inauguração do empreendimento, no domingo (14).

A interdição do local ocorreu após uma provocação dos moradores da região ao Ministério Público. Por meio de sua assessoria, o MP informou que o Unicompra descumpriu o trâmite legal iniciar o funcionamento.

 O órgão estadual explicou ainda que para conseguir a licença de funcionamento o estabelecimento teria que realizar uma audiência público com a população para mostrar o funcionamento do empreendimento e quais os impactos que causaria a região.

Os moradores, próximos ao supermercado tem o direito de ter o esclarecimento sobre a operacionalidade do estabelecimento, como por exemplo, qual será o horário para o recolhimento do lixo, se contém produto inflamável, como será o plano de combate a incêndio e outros detalhes, que podem afetar de alguma maneira a comunidade.

De acordo com o MP, a direção do supermercado se comprometeu em enviar um representante, nesta quarta-feira (17), para a uma audiência com síndicos e proprietários de residências na área para discutir a questão. A Secretaria do Meio Ambiente também foi convidada.

 A reunião será às 9h, na sede do Ministério Público, no bairro do Poço.

A reportagem do CadaMinuto esteve no Unicompra, mas a direção do estabelecimento afirmou que somente irá se pronunciar amanhã, logo após a reunião.  Clientes que chegavam ao local eram informados, por seguranças, que a unidade estava fechado e só reabriria nesta quarta-feira (17).

link

Deixe seu comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

captcha Atualizar
  • Paulo

    Palhaçada contra quem investe, gera emprego e renda. É a realidade de Alagoas.

  • Maxwell

    Parabéns rede Uni Compra. Por mais esse grande empreendimento que só envaidece o povo alagoano, afinal Uni Compra é da terra é de casa.

  • PAULO

    Absurdo essa atitude da concorrência. Isso não tem nada haver com a população. Senhor PREFEITO e GOVERNADOR, cadê a posição de vocês quanto a geração de emprego e renda? Por favor, vamos acabar com essas articulaçoes mesquinhas... precisamos de DESENVOLVIMENTO. Se há lugar para o PAO DE AÇUCAR, ASSAI, ATACADÃO, HIPER, ETC. Também cabe mais um. Há milhão para todo mundo, rsss. Só me envergonha essa pacividade com a falta de apoio ao empreendedor pelas secretarias de estado e municipio. Srs. Coloquem a cara na midia pra dier algo, chega dessa vergonha discarada. Ass. PAULO REGO (COMERCIANTE)

  • Vizinho

    Vizinhos? acho muito difícil que essa ação tenha partido dos vizinhos moradores da joja, MAAASSS os vizinhos concorrentes! Se os moradores estivessem insatisfeitos não teriam lotados os 3 dias q a loja ficou aberta, e não teriam protestado ontem na hora do fechamento. Teria enes meios de punir a loja até que houvesse a liberação ambiental, mas o ilustríssimo procurador de forma abusiva, fechar a loja. Qual dano ambiental mesmo que essa loja ja esta causando? Agora pergunto? e o condonimio Laguna causou algum, e os hoteis q despejam esgotos na praia causam? Tenho fé q tudo vai ser resolvido o mas rápido possível para q pais de família como os mais de 250 trabalhadores da loja sejam penalisados, é o q esperamos

  • andre

    o empresario tem que fazer reunião com a população por uma coisa que vai beneficiar a ela mesmo. O governo,prefeitura não; mudam transito, desapropriam, prejudicam a população de bairros, ruas,etc. e ta tudo certo. Isso é que é um país em ordem e o nosso estado consegue ainda ser pior. Parabéns aos políticos.

  • sertanejo cagota

    Nada que uma bolinha não resolva... E não tô falando de futebol não, viu?

  • washington

    se fosse na periferia nao iriam se importar com recolhilmento de lixo,se iria ter produto inflamavel etc.mas como e na ponta verde tudo muda nê.

  • Henrique

    Depois dizem que falta emprego em Alagoas, as pessoas e algumas a utoridades ao inves de ajudar só atrapalham, o mesmo ocorre com o estaleiro. Esse mesmo povo da ponta verde acabou com o Maceio Fest e outros eventos, será que é dado o mesmo tratamento as reclamações dos moradores de bairros da periferia?

  • Janguta

    Interessante é que o Bompreço da Ponta Verde, vende produtos fora do prazo de validade, produtos perecíveis fora de geladeiras, artigos com um preço anunciado na gôndola e ao passar no caixa tem o preço majorado,na parte que faz frente a Rua Professor Sandoval Arroxelas a água está acumulada há anos (para falar a verdade, desde sua inauguração) e aí não aparecem órgãos nenhum para verificação e interdição.Será que esta rede americana do norte tem mais dinheiro para pagar aos fiscais?

  • Moradora da Ponta Verde

    Deixaram inaugurar e só 03 dias após fecharam? Foi pressão só dos moradores ou da rede bompreço que ficou sem os clientes? Tem que ser reaberto com urgência, porque o bompreço da Sandoval Arroxelas estava uma bagunça total, com mercadorias espalhadas pelos corredores, filas absurdas e um calor. No BP da Jangadeiros Alagoanos tem água escorrendo dos freezeres e até baratas, porque o MPE não vê isso?

  • Junior

    É dificil entender o ser humano, o UNICOMPRA é ótimo, esses que denunciaram são uns porcos.

  • Pedro Henrique

    Eita bando de fiscalizadores bons esses de Maceió viu, depois de inaugurar é que descobrem que o supermercado não tem licença. Tenho pena dos funcionários e dos empresários com relação ao prejuizo. Força povo Alagoano um dia teremos orgulho de nossa terra.

  • Eduardo

    Quando querem vender o imóvel colocam no anuncio: vendo imóvel na ponta verde, ótima localização perto de farmácia, supermercado, padarias, etc.

  • Lopes

    A maior palhaçada o que fez o MP, nada de solicitação de vizinhança para fazer audiência publica, o que vi hoje lã foi uma grande vaia que o secretário levou da clientela. Acho isso a maior falta de respeito e bom senso,pois, essas empresas estão gerando emprego, e além do mais é alagoana, diferente da carniça do bompreço que leva todo o dinheiro para fora do país e ainda não é fiscalizada. Essa fiscalização sei não...vai dar muitos panos pras mangas. Tem muito interesse na jogada.

  • Falta do que fazer

    Não vi nada de mais ai, as irregularidades estão na cidade inteira, não sei porque só implicam com quem não deve, porque o MP/AL não se incomoda e manda a prefeitura e o estado recolher todos os usuários de crack de Maceió.

  • Edmilson

    Concôrdo plenamente com a população do entorno, pois aqui no Farol, na Rua Jose de Alencar estão construindo uma unidade da Mauricio de Nassau, pois a rua vai ficar totalmente intrasitavel, porque o volume de carros ira aumentarconsideravelmente, pois a estrutura da região é precaria, e seria muito bom se a reportagem do Cada minuto fize-se uma reportagem sobre o assunto.

  • OMISSÃO DAS AUTORIDADES LOCAIS

    EM ARAPIRACA O SHOPPING FAZ PIOR E NINGUÉM FAZ NADA. NÃO POSSUI ALVARÁ, NÃO FEZ ESTUDO DE IMPACTO NO TRÂNSITO, A CALÇADA NO LOCAL NÃO EXISTE MAIS, E NÃO FOI PAGO O VALOR ACORDADO PELO TERRENO. QUE PENA QUE O MINISTÉRIO PÚBLICO NÃO É IGUAL NO ESTADO DE ALAGOAS...

  • O Analista

    Acho isso uma grande falta de respeito a um Alagoano serio dono de uma rede de supermercado genuinamente Alagoana que investe e acredita no estado empregando milhares de pessoas. Acredito que por trás desta interdição exista uma grande safadeza de alguém que não foi beneficiado com o faça-me rir.