Postado em 05/11/2011 às 18:17 por Adrualdo Catão em Adrualdo Catão

Para que serve o movimento estudantil?

Por Adrualdo Catão

Recentemente, vimos nos jornais os dois caminhos que pode seguir o movimento estudantil. De um lado, a radicalização violenta dos extremistas da USP. De outro, a vitória de uma chapa declaradamente conservadora (não-esquerdista) surpreendeu o meio acadêmico na UNB. O que isso significa?

Significa que o movimento estudantil vive, hoje, uma situação bastante inusitada. Se vocês, amigos, não sabem, boa parte do movimento estudantil atualmente vive para dar espaço a partidos políticos. Aqueles alinhados com o governo federal vivaram meros esbirros do governo. A UNE hoje serve somente de burocracia partidária e propaganda do PT e PC do B. Enche os bolsos de dinheiro oriundo das carteirinhas de estudante e de convênios com o governo. Protesto? Só se for a favor.

A oposição, todavia, não vem da direita. Vem da extrema-esquerda. Aí há de tudo. PSTU, PSOL e tudo aquilo que representa o progresso no Século XIX. Eles, com razão, denunciam o peleguismo da UNE, mas propõem algo ainda muito distante das reais necessidades e problemas da Universidade.

Vocês estão acompanhando a baderna na USP. Um grupo de estudantes invadiu a Faculdade de Filosofia e, depois, a Reitoria. Querem que a PM de São Paulo seja proibida de entrar no campus. É isso mesmo que vocês leram. Um grupo de estudantes está revoltado por causa da presença da polícia!

Na UFAL, já vivemos dias assim. Alunos decidem em assembleia ser contra a greve, mas uma minoria invade a Reitoria. Os órgãos universitários deliberam pelo Reuni, mas um grupo discorda e invade uma reunião oficial. Odeiam o capitalismo, mas sobretudo, odeiam a democracia.

É o caso de repensar a atitude tolerante das autoridades universitárias com esses movimentos. Está na hora de o povo saber quanto a Universidade gasta e como esses alunos estão dispostos a usar esses recursos.

Já está na hora de rever alguns conceitos. Esse papo de que movimento estudantil é inimputável já não serve mais. Baderneiro que se esconde atrás do número de matrícula tem que ser punido, sim! Quem disse que estudante pode sair por aí fazendo baderna? Seja para defender o socialismo ou para pedir diminuição dos preços de passagem, estudantes não podem afrontar a lei.

Não estou falando de colocar a polícia para bater na meninada. Estou falando em recorrer à Justiça toda vez que ocorrer uma invasão. Estou falando em punir aqueles que causem dano ao patrimônio público. Estou falando na lei. Para mim, é apenas isso que baderneiros merecem. A lei.

E o que aconteceu na UNB? A chapa que prometeu lutar pelas reais e concretas necessidades dos estudantes ganhou. Se isso é ser de direita, ótimo! Defender parcerias público-privadas na universidade pública é ser direitista? Ótimo! Defender menos burocracia e mais cobrança de produtividade dos professores é ser de direita? Ótimo!

O fato é que, envolvidos em disputas partidárias e em teorias utópicas, o movimento estudantil parou no tempo e esqueceu os estudantes. Os poucos estudantes que lutam pelos pleitos reais dos alunos são chamados de alienados ou “de direita”. Eu entendo a dificuldade daqueles que legitimamente querem participar de um centro acadêmico. Eu mesmo já fiz parte disso. Na primeira reunião desses encontros, a discussão, que era sobre assistência judiciária, virou apenas um monte de críticas ao governo FHC. Desisti.

Isso acontece com muita gente boa. Vejo muita gente boa e inteligente que, apesar de suas crenças políticas, tentam, antes de tudo, encontrar soluções importantes para o dia a dia dos estudantes das universidades públicas. Tentam furar a burocracia para fazer a universidade andar. Desde obras paralisadas até falta de professores. Quando os estudantes vão atrás, a coisa tende a melhorar.

Se o movimento estudantil que fazer política, faça. Mas não abandone os estudantes em nome da paz mundial ou do comunismo. É o caso de o movimento estudantil, de esquerda ou de direita, pensar mais nos alunos. Foi esse pensamento que venceu na UNB.

link

Deixe seu comentário

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

captcha Atualizar
  • Lillian Rosendo

    + Nasce de nosso orgulho exacerbado em puxar a sardinha para o nosso lado precisamos de educação bom senso Empatia. Assim teremos Boas instituições de Ensino, Policia "Limpa" e Liberdade sem interferir na liberdade alheia.

  • Lillian Rosendo

    Estamos aqui discutindo sobre direitos e deveres! Quais as nossas tendências, paradigmas cultura e educação? A UNE a Policia a USP, UNB E UFAL são transitadas por pessoas, convivemos e trabalhamos com Gente e até onde eu sei o erro está... na Gente. Toda a corrupção, a baderna, a revolta nasce

  • Laerte

    Última dica de leitura para quem não entendeu: http://bloglog.globo.com/ticosantacruz/ Ele juntou os links que explicam. Parei. Os textos tão aí. Não vão ser lidos, mas tão aí. Lucidez para a voluntária cegueira.

  • Francisco Fernandes

    O BRASIL NAO TEM MOVIMENTO ESTUDANTIL MAIS, TEM UMA UNE DESMORALIZADA QUE LULA E SUA TRUPE COMPROU. A MESMA COISA ACONTECE COM AS CENTRAIS SINDICAIS, CUT,CGT, FORÇA SINDICAL ....., SAO TODOS DEMORALIZADOS QUE VIVEM DE MAMAR NAS TETAS DO ERÁRIO, TETAS ESSAS ALIMENTADAS POR UMA CRUEU CARGA TRIBUTÁRIA

  • Laerte

    Texto correto tá esse aqui: http://www.cartacapital.com.br/blog/sociedade/ocupacao-patetica-reacao-tenebrosa/#.TrtMC3qGzH0.facebook Sigamos!

  • Laerte

    Pela vivência, acho que o senhor sabe muito mais que eu quais os benefícios de uma autonomia universitária. / Perseguição aos alunos, corrupção, intimidação etc. Isso que não defendo. -- O debate sobre a maconha tem nada a ver.

  • Laerte

    Isso está nas entrelinhas de todo o texto. Acho que o certo é justamento o contrário. Por isso, acho que os estudantes, no caso, são vítimas. Devíamos agradecer os movimentos sociais, ME, não criminalizá-los.

  • Rodrigo Leite

    Afrontar a lei nem sempre é mau. Os iluministas fizeram isso no Sec XVIII, os abolicionistas no Sec XIX, Mandela no Sec XX. Direitos Fundamentais independem de positivação estatal, existem mesmo quando o Estado os nega. Mas não se enganem, o caso USP não é à altura de nenhum daqueles exemplos.

  • Rodrigo Leite

    Quando a direita usa Reinaldo Azevedo como fundamento, a esquerda se sente do mesmo modo que a direita quando lê um discurso de esquerda baseado no que Jean Wyllys falou. Comentar o texto na base do Ctrl+C, Ctrl+V no blog do Azevedo é baixaria. Existem direitosos bem mais sofisticados.

  • Adrualdo Catão

    Amigos, Tive que rejeitar um monte de comentários ofensivos. Vão com calma, por favor. Agradeço a participação, mas não há necessidade de tanto ódio. Abraços.

  • Adrualdo Catão

    Amigos, obrigado pelos comentários. Laerte, meu querido... Indique o trecho em que defendo a ditadura. Se encontrar, ganha um prêmio. Meu norte é a democracia. Vc, por outro lado, defende a violência? Defende a intimidação pela força? Abraços!

  • Mário

    ... estão bem aquém desse nível cognitivo e intelectual que não permitem que percebam que bênção seria ter um campus livre desses famigerados policiais, não é mesmo? Só mesmo um luminar, um sábio como esse Rafael Alves, uma alma abnegada, para agir contra esse absurdo que é ter policiamento.

  • Mário

    E vem, cá, Capistrano, o que diabos há de tendencioso em se ter policiamento no Campus? Ah, sei, deve ser incômodo para aqueles seres complexos que fogem do dualismo preguiçoso "bem" x "mal", né? Certamente as meninas que foram estupradas na USP, antes do policiamento, os estudantes assaltados...

  • Mário

    Hoje mesmo o marmanjo estava dando entrevista, reclamando da prisão dos seus seguidores. Certamente, um sujeito de uns 30 anos, jubilado da faculdade e que se dedica a árdua atividade de estudante profissional deve mesmo saber como alcançar a justiça. Vamos lá, paremos todos para ouvi-lo. Piada.

  • Mário

    "A justiça vem antes das leis tendenciosas". É mesmo, Capistrano? E a quem cabe dizer o que é justo? O senhor, com seu treinamento de pensador? Os arruaceiros da USP? Ou "o povo"? Mostrei no comentário anterior o exemplo de líder que vai determinar o justo e o injusto.

  • Laerte

    O que tenho medo mesmo é dos alunos - futuros profissionais - que repetem isso. Na eleição para reitor, por exemplo, haviam vários com esse discurso. É triste pensar isso, mas é o que parece: O senhor apoiaria a ditadura, caso ela ainda existisse(caso ela ainda não tenha acabado).

  • Capistrano

    Errado Mr. Mário!! O pensamento diferenciado é aquele bem maior e acima do dualismo preguiçoso entre o "bem" e o "mal"! Bem acima do "ordem e progresso" (pra uns?) É aquele que a justiça vem antes das leis tendenciosas! Se lermos e estudarmos para a mesmice, rasguemos nossos livros!!

  • Mário

    "Tenta também conseguir seu apartamento de volta (a exemplo de outros rebeldes, ele se recusou a dar entrevista para esta reportagem).? Aí está o exemplo daquilo que Capistrano chama de "pensador diferenciado" que "recicla pensamentos, ações e concepções".

  • Mário

    "no termo acadêmico, jubilou-se. Perdeu, assim, o direito a continuar vivendo gratuitamente na moradia assistencial. Voltou à instituição neste ano, por meio de vestibular, ocupando vaga que lhe garante a permanência na área por mais um longo período."

  • Mário

    ?Entre os agitadores, há gente como Rafael Alves, acusado de participar da invasão da Coordenadoria de Assistência Social (Coseas), em 2010, que deixou um funcionário ferido por estilhaços de vidro de uma janela arrombada. Ele é o típico ?estudante profissional?: estourou o prazo máximo de sete anos

  • Gustavo

    Se universidade não é lugar da polícia, seria então ela lugar de maconheiro? Pois a revolta começou por isso...só bandido não quer a polícia por perto.

  • Estudante UFAL

    Lucas, um movimento para ser legitimamente democrático precisa, obviamente, de grande apoio popular, ou seja, precisa lutar por aquilo que o "povo" deseja. Entender a conjuntura política, debater lucidamente coisas concretas e propor mudanças plausíveis também são fundamentais para um Movimento.

  • Estudante UFAL

    Lucas, um movimento para ser legitimamente democrático precisa, obviamente, de grande apoio popular, ou seja, precisa lutar por aquilo que o "povo" deseja. Entender a conjuntura política, debater lucidamente coisas concretas e propor mudanças plausíveis também são fundamentais para um Movimento.

  • Estudante UFAL

    Pessoal, o ponto é: O ME (conjuntura nacional) realmente tem representado os interesses dos estudantes e daqueles que fazem da Educação o bem mais precioso ou tem servido apenas como apetrecho político-partidário?

  • Mário

    A vitória desse grupo da UnB é alvissareira. O pensamente "diferenciado" a que o Capistrano se refere deve ser aquela que afronta a lei, depreda patrimônio público, atrasa o calendário das aulas, agride funcionários e colegas e cerceia o direito de ir e vir. Bando de vagabundos, isso sim!

  • Lucas

    Não precisava enrrolar tanto para dizer que é reacionário! Quando o povo não estiver satisfeito com o governo, fique quietinho! não saia às ruas! Não se manifeste! Não é professor? Não esqueça que a Ditadura tinha a " lei " como fundamento. aaah, esqueci! pro professor lei é lei! Lamentável!

  • Capistrano

    Sabe para que serve o movimento estudantil Adrualdo? Para mostrar que um Universitário deve agir na sociedade com um pensamento diferenciado! A função de um pensador não é somente tirar boas notas ou pensar em ficar rico no futuro! É reciclar pensamentos ações e concepções!

  • Rui Gomes

    "O homem que se orgulha de marchar numa parada militar, não precisa de cérebro! A coluna vertebral lhe basta!" (Albert Einstein) Será que universidade é local para Policiais Militares?

  • Alcides

    Parceria público-privada é a maior picaretagem acadêmica que já se viu nesse país! Se a UNE enche os bolsos de dinheiro, empresas e fundações terceirizam contratos e maximizam seus lucros de maneira esdrúxula, deixando a formação acadêmica refém dos seus interesses escudos e temporários!