Postado em por Equipe: IBC em BlogProf. José Queiroz


Acredite nos seus sonhos

Hoje resolvi compartilhar este excelente texto da equipe do Instituto Brasileiro de Coaching.

 

 “O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos.” A frase da ex-primeira dama americana, Elleanor Roosevelt, pode ser aplicada a vida pessoal e profissional de todos nós. Alguns reclamam de não terem a oportunidade que desejam, no entanto não buscam uma maneira para conquistá-la. Sonhar é muito mais ação do que se imagina. É desejar, acreditar e buscar os meios para que sua meta seja alcançada.

No meio corporativo podemos notar que as pessoas de maior sucesso, acreditaram em si mesmos, em seus sonhos, são autoconfiantes. Levantaram as mangas e trabalharam arduamente para conquistar seus objetivos. Aproveitaram das pequenas chances que surgiram para colocar seus sonhos em prática.

Grande parte dos profissionais escolhe manter sua posição inicial, a ter que arriscar e lutar pelas metas que desejam alcançar. Pensando nisso, trouxemos dicas extraordinárias para ajudá-lo a mudar e lutar por suas perspectivas e seus ideais. Confiram!

·         Busque companhias positivas: Esteja próximo de pessoas que enxergam e trazem o que há de melhor em você. Evite expor seus sonhos para pessoas pessimistas e negativas.

·         Enfrente seus medos: Você é maior que eles, acredite! Entenda o real motivo e o porquê de tê-los e trabalhe para enfrentá-los. Seja superior a eles e tome o controle de suas emoções.

·         Seja grato: Agradeça por tudo que você tem, pelas oportunidades que já conquistou. Assim, quando alcançar suas metas e sonhos, saberá ser humilde e dará o real valor pela sua conquista.

·         Seja determinado, porém flexível: Focar em seu objetivo não quer dizer que você deve ter a mente fechada e deixar sua meta de lado. Analise as oportunidades que aparecerem.

·         Trabalhe pelo seu sucesso: Dê passos, mesmo que pequenos, mas saia da inércia. Acredite no seu potencial e vá à luta em busca de seus sonhos. Seja líder de si mesmo!

Fonte: http://www.ibccoaching.com.br/blog/acredite-nos-seus-sonhos/

 

Adm. José Queiroz de Oliveira

Business and Executive Coach/Professional & Self Coaching/pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching e pelo ICI – International Association of Coaching – Institutes (E.U.A), Analista Comportamental.professor,palestrante e escritor.

www.coach.queiroz@bol.com.br

         

 


Postado em por o mesmo em BlogProf. José Queiroz


“Olha para trás, mas vai em frente, pois há muitos que precisam que chegues para poderem seguir-te”. Charles Chaplin

No texto anterior busquei conceituar o coaching para que vocês possam ter uma ideia clara deste processo maravilhoso que está mudando, para melhor, muitas pessoas e organizações no mundo inteiro, inclusive, aqui no Brasil.

Vamos hoje falar um pouco mais sobre este processo

A palavra coaching vem tomando os ambientes organizacionais e familiares em todo o Brasil, como um excelente método para a transformação e desenvolvimento das pessoas e das empresas.

O processo de coaching segundo Jonh Whitmore, autor do livro Coaching para performance - é uma maneira gentil de fazer crescer a consciência dos desequilíbrios existentes e de apoiar quem está sendo orientado a encontrar um caminho que beneficie seu trabalho e sua liberdade de ação.

A essência do coaching é liberar o potencial de uma pessoa para maximizar seu desempenho e auxiliá-la a aprender em vez de ensiná-la.

O coaching tem mais a ver com “ensinar a pescar do que dar o peixe”. O profissional (coach) evoca do cliente (coachee) respostas e ações, em vez de aconselhá-lo ou escolher por ele.

São etapas de um processo de Coaching:

O processo de investigação, reflexão e conscientização;
Descoberta pessoal dos pontos fracos e das qualidades;
Aumento de consciência de si mesmo;
Aumento da capacidade de se responsabilizar pela própria vida;
Estrutura e foco;
Feedback realista;
Apoio.

O Coaching libera o potencial do individuo para que este maximize seu desempenho e faça o que antes acreditava impossível. Ele, fundamentalmente, facilita a mudança que vai levá-lo aos resultados desejados.

No próximo texto, mais sobre coaching para que você possa tomar contato com este maravilhoso processo. Qualquer dúvida ou sugestão entre em contato através do e-mail abaixo.

 

Adm. José Queiroz de Oliveira

Business and Executive Coach/Professional & Self Coaching/pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching e pelo ICI – International Association of Coaching – Institutes (E.U.A), Analista Comportamental.professor,palestrante e escritor.

www.coach.queiroz@bol.com.br

 


Postado em por o autor em BlogProf. José Queiroz


“Nosso principal objetivo é encontrar alguém que nos motive a fazer tudo que somos capazes” Ralph Waldo Emerson

Olá,

A partir deste post pretendo escrever uma série de artigos sobre Coaching, uma ciência, uma técnica, um processo que vem revolucionando as diversas áreas no âmbito da vida pessoal ou profissional, elevando o nível de resultados, gerando mais realização, satisfação pessoal e profissional, equilíbrio interno e aumento da qualidade de vida. 

O Coaching é um processo que visa aumentar o desempenho de um individuo (grupo ou empresa), ampliando os resultados positivos, através de metodologias, ferramentas e técnicas conduzidas por um profissional (o Coach) em uma parceria sinérgica e dinâmica com o cliente (o Coachee).

A essência do Coaching é apoiar uma pessoa, grupo ou empresa a mudar da maneira que deseja; a ir na direção que quer.

O Coaching apóia pessoas em todos os níveis para que se tornem quem querem ser e para que sejam o melhor que podem ser.

O profissional Coach possibilita uma parceria progressiva que auxilia seus clientes no alcance de resultados positivos em suas vidas. Através das sessões, o Coach e o Coachee trabalham com foco em conversação e a interação entre eles cria um ambiente seguro para a clareza de valores, definição de metas, tomada de decisão, planejamento de vida e carreira e principalmente ação.

Uma pesquisa da Harward Business School constatou que para superar uma empresa que ocupa o primeiro lugar no seu segmento, que tem como base o desenvolvimento de pessoas, são necessários sete anos. Se a mesma empresa ocupa uma liderança pautada no preço dos seus produtos, em apenas 60 dias ela pode ser superada.

Nesse sentido, se a empresa está nessa colocação pela propaganda e publicidade, em um ano ela pode ser superada.

Veja, portanto, a importância de se obter uma liderança alicerçada no desenvolvimento das pessoas e o Coaching possui todas as ferramentas necessárias para que você obtenha esta maravilhosa vantagem competitiva.

Adm. José Queiroz de Oliveira

Business and Executive Coach/Professional & Self Coaching/pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching e pelo ICI – International Association of Coaching – Institutes (E.U.A), Analista Comportamental.professor,palestrante e escritor.

www.coach.queiroz@bol.com.br


Postado em por José Queiroz em BlogProf. José Queiroz


Tudo como antes no quartel de Alagoas.

Olá,

O mapa da violência no Brasil divulgado mais uma vez esta semana,  mantem a nossa capital como a  mais violenta do Brasil, aliás, temos tido a incompetência de nos mantermos nesta posição já faz alguns anos.

O  marketing nos ensina que o esforço desprendido para se chegar ao primeiro lugar em qualquer mercado é descomunal, mas ao contrario do que se pensa, ao chegar no topo despendemos muito mais esforço para nos mantermos. Será que é o caso da nossa segurança pública?

Quero crer sinceramente que não. Acredito que esta posição humilhante não agrada a maioria dos lideres que enfrentam este problema. Acho que falta liderança com atitude para empoderar a equipe da segurança para os resultados que a sociedade almeja.

Senão vejamos. O Primeiro ponto que já tive a oportunidade de falar aqui neste espaço: não é possível tratar dos aspectos externos sem antes equacionar os internos. Vou ser mais claro.

Como resolver a questão da segurança pública sem: pessoal suficiente; treinamento; estrutura física – aí reunindo tudo, prédios,  moveis, armamentos, veículos, comunicação, etc; remuneração adequada; incentivo adequado; reconhecimento e punição?

E não é preciso estar tudo a mil maravilhas não, mas é preciso o mínimo para mudar a percepção dos liderados de que a coisa é para valer mesmo. Pelo visto neste ponto continua – ”tudo como antes no quartel de Abrantes”.

O segundo ponto que observamos é a famosa integração do aparelho da segurança publica que ainda não aconteceu. Não vejo todos os atores integrados, inclusive fisicamente. Estados que estão conseguindo um bom resultado contra a criminalidade têm ambientes    compartilhados pela: Policia Civil, Militar, Guarda Civil,  MP, judiciário e quem mais de direito.

Tudo é feito ali naquele espaço: o juiz expede o mandato de prisão, a Policia Civil e  Militar prendem, o delegado faz o inquérito, entrega alí mesmo ao juiz, o Ministério Publico presente se manifesta e em pouco tempo  a resposta é dada e a impunidade é logo combatida.

Temos um Plano, é verdade, mas não temos quem  o executa na sua inteireza. Defendo que enquanto as condições para a tarefa não são dadas, a cobrança por resultado não pode prosperar e não havendo cobrança de metas claras, os resultados que colhemos são os mesmos, alias, se o que queremos é um resultado diferente temos que fazer diferente.

Tratando a segurança pública de Alagoas da forma que temos tratado nestes últimos anos, os resultados que alcançaremos serão os mesmos: A Capital mais violenta do Brasil.

 

Não tá funcionando? Que tal ousar e fazer diferente!


Postado em por o mesmo em BlogProf. José Queiroz


O que as ruas estão dizendo é: falta Gestão

A leitura que vem sendo feita dos acontecimentos atuais - as inúmeras manifestações nas ruas de todo o país - do ponto de vista micro ou como costumo denominar “visão míope” é que falta transporte, falta médico, falta alimento, falta ética, segurança, etc. É uma leitura correta, porém míope. A visão estratégica, o que as ruas nos dizem é na verdade: Falta Gestão.

A gestão é uma ciência recente no mundo, pouco mais de cem anos, e que por aqui, a depender da região que você vive no Brasil, o seu conceito ainda é desconhecido.

No Brasil o que presenciamos nos últimos cinquenta ou sessenta anos foi um desprezo total a este importante conceito que nos ensina, por exemplo, que o importante é o que saí do sistema e não o que entra, ou seja, o resultado é o mais importante.

Tomando para análise apenas este aspecto do conceito o que verificamos? Um total desprezo pelo que sai e uma enorme ênfase no que entra no sistema.

Mais dinheiro para a educação e o resultado? Mais rodovias e o resultado? Mais bolsa família e o resultado? Mais recursos para o judiciário, legislativo e o resultado? Mais dinheiro para a saúde e o resultado?

Dois exemplos claros aqui do nosso estado de Alagoas.

Milhões para reconstruir as casas das pessoas atingidas em 2010 pela grande cheia. Resultado: casas entregues em 2013 que na primeira chuva de médio porte foram inundadas.

Escolas estaduais reformadas através de um contrato emergencial que provocou a perda do ano letivo de milhares de alunos, na primeira chuva de porte médio desabou parte da estrutura.

Bem, é disso que o povo fala nas ruas. O pouco que existe não funciona.

Gestão é fazer mais com menos e de melhor qualidade

Olha com eu estava certo. Não tenho o dom da premonição apenas tenho ouvidos atentos e olhos abertos para o que está acontecendo, vejam o que postei aqui neste blog em Abril e que ainda está disponível para sua leitura:

Postado em 18/04/2013 às 16:12 por o próprio em Blog › Prof. José Queiroz

Cuidado! O Povo está de “saco cheio”.

 

É talvez agora eles me entendam, ou melhor, nos ouçam.

 


Postado em por José Queiroz em BlogProf. José Queiroz


Ninguém sozinho é melhor, ou pode mais que todos nós juntos.

Todos nós educadores já sabemos que educação só funciona com afeto e respeito. Liderança também. Ninguém sozinho é melhor, ou pode mais que todos nós juntos.

Entendo que o gestor para obter sucesso, para conquistar a verdadeira liderança, precisa independentemente do cargo que ocupa, gostar de gente.  Se não gosta de gente, se não acredita que deve respeitar as pessoas, se não vivencia suas emoções e se não tem afeto e alegria dentro de si para tolerar com solidariedade e otimismo as pessoas que o ajudam a conseguir resultados, então, não é pelos inúmeros diplomas acadêmicos obtidos que seu racional vai conseguir entender os sensíveis caminhos da motivação humana.

Os tempos atuais são tempos desafiadores, as crises são constantes, as exigências enormes, e, mais do que nunca, precisamos da colaboração de todos que fazem a nossa equipe para surfarmos essas difíceis ondas.

A característica do líder que é mais valorizada, neste momento, é a capacidade de reter os talentos humanos da empresa, ou conquistar aqueles talentos que a empresa por ventura necessite. Para que isso aconteça, é fundamental para o líder, saber administrar, sobretudo, seus sentimentos, no sentido do desenvolvimento da inteligência emocional, intrapessoal e interpessoal.

Ter a consciência da importância do conjunto de funcionários, desde a função considerada a mais simples, até o alto escalão da pirâmide é um fato considerável, no sentido da busca de uma visão ampliada e sistêmica da empresa.

Lembro-me da história de uma criança que chegou em casa, chorando, porque não conseguiu o papel  principal de uma apresentação teatral da  escola. Seu avô, pacientemente desmontou um relógio antigo, espalhou todas as peças de sua composição sobre a mesa e perguntou à criança qual a peça que ela achou mais insignificante. A menina apontou para uma peça que se chama “cabelo”, um minúsculo fio, sem nenhuma expressividade.

Pois é, disse o avô. Sem essa peça, o relógio não funciona!

O gestor deve olhar todos os seus trabalhadores como pessoas importantes na composição do quadro de funcionários de sua empresa, considerando que há uma rede de relações significativas entre elas, independentemente do cargo que ocupam.   

Está nos relacionamentos, na energia gerada pelo campo relacional a solução para o sucesso empresarial no campo profissional ou pessoal, e até mesmo na administração pública.  Afinal as organizações são feitas de pessoas, suas crenças e valores.

Cabe ao líder entender esta divindade e ter a maestria para encontrar a sintonia perfeita

 

 


Postado em por josé Queiroz em BlogProf. José Queiroz


A Burocracia brasileira e o mosquito da dengue.

Neste último  mês de abril, tive a oportunidade  de participar de um importante fórum sobre regulação econômica em Brasília, onde estavam presentes, desde Ministros do Supremo Tribunal Federal, a dirigentes de empresas estatais e privadas. A reclamação era uma só: a burocracia brasileira.

Isso fez lembrar-me da época da desburocratização e da secretaria do poder executivo federal que existiu de 1979 a 1986 com o objetivo de diminuir o impacto da estrutura burocrática na economia e na vida social. Pelo visto o trabalho produzido naqueles sete anos se perdeu ao longo do tempo. A burocracia brasileira é sem dúvida o maior custo que temos hoje no país. Se formos verificar com afinco os problemas que temos com o chamado “Custo Brasil”, nas três esferas do Poder, vamos entender que o problema real é a burocracia. A burocracia que não deixa melhorar a nossa eficiência, nos portos, nos transportes em geral, no setor exportador, tributário, jurídico, na execução das obras necessárias de infraestrutura, na saúde, etc.

Pesquisa recente do Instituto ILOS mostra que nos portos a burocracia é problema ainda maior do que a falta de infraestrutura. Para 157 empresas brasileiras ouvidas, o excesso de burocracia superou os gargalos históricos do setor portuário nos últimos anos.

Um dia desses, lendo um livro intitulado “Projetos Sociais – passo a passo” , parei a leitura quando li que para o governo estadual submeter um projeto social ao Ministério da Cultura, o primeiro documento exigido era a cópia autenticada do ato de nomeação do governador. Ora meu amigo! Convenhamos, não? E o pior é que estava observado que a falta de qualquer documento ensejava na interrupção da análise do projeto.

Absurdos como esses acontecem às pampas, a cada minuto. Eles se multiplicam feito o mosquito da dengue em qualquer lugar. A sua reprodução acontece pela repetição da forma errada de fazer as coisas,  aprendida ou normatizada,  sem a visão da eficiência dos processos.

Um novo e eficiente programa de desburocratização baseado na velha e boa ferramenta administrativa  O&M – Organização e Método - talvez seja o melhor investimento que os governos, em todos os níveis, possam fazer. Estudar amplamente os passos dos processos e eliminar aqueles dispensáveis, em todos os níveis, pode gerar uma eficiência significativa,  porque eliminará os custos invisíveis que teimamos em não ver. Simples assim.

E a campanha a ser lançada deve ser sistemática e por tempo indeterminado como a campanha da dengue. O seu objetivo poderia ser  buscar diminuir o índice de burocratização, pois assim  o governo federal,  por meio da Secretaria de Organização e Métodos,  promoveria um mutirão de limpeza e de conscientização nos diversos órgãos públicos. Enfim, solicitando que os funcionários públicos  coloquem em frente às suas repartições materiais inservíveis, como móveis velhos, escaninhos   e qualquer outro objeto que possa acumular retrabalho  e facilitar o aparecimento do mosquito  transmissor da burocracia.

O  Ministério da Eficiência dos Processos aponta que 100% dos criadouros dos mosquitos da burocracia estão dentro das repartições públicas.  Na  maioria dos birôs, nas gavetas e armários mal fechados e que “os ovos do mosquito da burocracia”  podem resistir por 40 ou 50 anos  nos cantinhos de cada sala de cada repartição.  

A quem serve esta epidemia burocrática?


Postado em por ANP em BlogProf. José Queiroz


Petróleo de Alagoas está sendo leiloado hoje.

Olá,

A Agência Nacional de Petróleo – ANP inicia hoje, 14.05.2013, o leilão onde serão oferecidos 289 blocos, para exploração de Petróleo e Gás, totalizando 155,8 mil km2 em 11 bacias: Barreirinhas, Ceará, Espírito Santo, Foz do Amazonas, Pará-Maranhão, Parnaíba, Pernambuco-Paraíba, Potiguar, Recôncavo, Sergipe-Alagoas e Tucano.

No total, 64 empresas de 21 países dos cinco continentes disputarão esses blocos, com reservas estimadas de 9,1 bilhões de barris

Serão oferecidos 25 blocos localizados na Bacia de Sergipe-Alagoas a mais promissora fronteira de exploração de petróleo depois de Campos e Santos.

Venho cobrando há anos a descentralização dos investimentos em petróleo para a região norte e nordeste, agora, parece que chegou a hora. Veja um trecho do que escrevi aqui neste blog em 2009, intitulado: O pré-sal de todos nós.

- Revelei que a possibilidade de encontrar petróleo sob a camada de sal na costa brasileira vai além da faixa apontada por alguns especialistas entre o Espírito Santo e Santa Catarina. Na opinião do presidente da Associação dos Geólogos de Petróleo, Marcio Mello, as chances de obter petróleo no pré-sal se estendem até Sergipe e Alagoas.

Estava certo, a ANP a partir de hoje coloca em leilão 289 blocos, praticamente todos nas regiões norte-nordeste.

E mais, a expectativa é de encontrar um petróleo mais leve, mais nobre e mais valorizado.

Espero que o nosso estado de Alagoas saiba usufruir dessa nova oportunidade.

 

 

 

 


Postado em por José Queiroz em BlogProf. José Queiroz


Um plebiscito sobre redução da maioridade penal.

 

 

Pesquisa Datafolha divulgada no último dia 17 de abril – feita após menor que estava para completar 18 anos e que matou um rapaz de 19 para lhe roubar o celular – revelou um apoio espantoso dos paulistanos à redução da maioridade penal.

Na capital paulista, 93% querem que jovens entre 12 e 16 anos passem a ser responsabilizados criminalmente como se fossem adultos.

No Brasil não é muito diferente, estima-se que cerca de 90% da população apoie a redução da maioridade penal para 16 anos.

Olhe o que circula nas redes sociais.

Maioridade Penal no Mundo:

Alemanha        14 anos

Argélia              13 anos

França              13 anos

Índia                  07 anos

Itália                  14 anos

Etiópia              09 anos

Inglaterra         10 anos

Quênia              08 anos

Suécia               15 anos

Uganda             12 anos

Rússia               14 anos

Sudão               07 anos

Japão               14 anos

Vietnã              14 anos

China               14 anos

Tailândia         07 anos

SERÁ QUE SOMENTE O BRASIL ESTÁ CORRETO?

E O MUNDO ESTÁ ERRADO?

Na minha opinião sou favorável a diminuição da maioridade para 16 anos e da punição rigorosa para crimes hediondos, afinal, depois de tanto tempo, é razoável cogitar a atualização do Estatuto da Criança e do Adolescente, criado em 1990. O direito penal é dinâmico.

A melhor maneira de fazer isso seria a convocação da população brasileira para que ela decida em um plebiscito sobre a matéria.

 

 

 

 


Postado em por o próprio em BlogProf. José Queiroz


Cuidado! O Povo está de “saco cheio”.

Olá,

 

 

O principio básico para qualquer gestor público é: atender às necessidades atuais e futuras dos seus cidadãos. Entendo o Estado como um grande condomínio cujos condôminos elegem um de seus pares para síndico e este convida alguns outros para fazerem parte da administração e ajudá-lo no dia-a-dia da sua gestão, mas infelizmente, em Alagoas e boa parte do Brasil não é assim que eles se comportam, não é mesmo? De empregados da população muitos assumem o papel de donos do condomínio.

Quando isso acontece as conseqüências são devastadoras: Descrença, apatia, tristeza, valores deturpados; criminalidade nas diversas formas que se apresenta; baixa autoestima; enfim, falta de total expectativa em ter os seus anseios e desejos atendidos, seja a curto, médio ou longo prazo.

E o pior, quando o sindico geral acha que está tudo bem, que nunca em administração alguma os condôminos estiveram tão bem, seja na segurança pública, na saúde, na educação,  na geração de renda e empregos, etc.

Não reconhecer que precisamos melhorar em todos os aspectos, não reconhecer que estamos perdendo a guerra contra a violência, não reconhecer que continuamos a errar na saúde, na educação, é o fim da linha.

 Vejam o Pronto Socorro da capital, a Santa Mônica, o IML, continuam sem solução, as manchetes na imprensa se repetem. Na Educação um crime, veja os dados informados pelo MP- “mais de 70 mil estudantes prejudicados pelas reformas” – outro dado agora denunciado por este Blog -  Em Alagoas de cem jovens que concorrem a uma vaga em cursos técnicos que exigem conhecimentos básicos do ensino médio,  apenas três logram êxito. Outro também deste Blog há dias atrás - Em Alagoas, 57% dos estudantes terminam o 9.º ano sem saber o conteúdo de matemática do 5.º.

Não estranhem, não achem um absurdo se a presença do povo nas ruas for mais constante, não se façam de incompreendidos se o povo for mais e mais às ruas exigir atitude, exigir que se cumpra o básico para qualquer administrador público, repito: atender às necessidades atuais e futuras dos seus cidadãos.

Cuidado! o “saco cheio” tende a estourar e aí..............

 

 

 

 

 


Postado em por JOSE QUEIROZ DE OLIVEIRA em BlogProf. José Queiroz


“A Seca de Atitude”

O que mata o Nordeste!

 

 

Esta semana acompanhei diversos pronunciamentos na Câmara e no Senado Federal, realizados na sua maioria por parlamentares nordestinos, sobre este momento de estiagem que, novamente, assola o nosso nordeste. As perspectivas são sombrias, já se fala no maior período de estiagem dos últimos 100 anos. As reservas de água na região já estão abaixo de 30% em média.

Neste momento, como acontece toda vez que há estiagem prolongada na região, corremos para pedir ajuda para tratar os reflexos da seca, quais sejam: salvar os rebanhos; levar comida para os lugares mais afetados; levar água para os nossos sertanejos, mas o problema – não – esse, não atacamos.

É certo que a região, de tempos em tempos, passará por períodos como este de estiagem e o que temos feito? – esperar acontecer para mostrar a nossa indignação? Soltar o nosso verbo? Pedir ajuda?  desculpem, mas o tempo tem demonstrado que esta postura reativa não resolve o problema.

Chega! Temos que tomar atitudes proativas, iniciativas a partir do nordeste, ou seja, temos que ter ATITUDE.

A atitude de assumir que este é um problema nosso da região e de uma forma integrada – parlamentares, estudiosos, empresários, universidades da região, numa postura suprapartidária, acima de qualquer credo, cor ou posição social, idealizar e executar um Plano consistente de convivência com este fenômeno climático.

O Senador Cássio Cunha Lima da Paraíba, em pronunciamento esta semana no Senado questionou: porque não se aplicar o Regime Diferenciado de Contratações (RDC), para se concluir rapidamente a transposição do Rio São Francisco que se encontra paralisada? Questionou o porquê de se está aplicando este dispositivo para se construir estádios para a Copa e não para levar água para nosso sertanejo?

Acredito sinceramente que se a Câmara e o Senado Federal aprovassem algum dispositivo indicando que esta obra, pelo seu caráter emergencial, seria tocada no Regime Diferenciado de Contratações a nossa presidente, que já deu inúmeras provas da sua mais absoluta solidariedade com o povo nordestino, sancionaria rapidamente.

Uma proposta.

Desafio os parlamentares nordestinos a montar um plano, em 30 dias, que submeta ao Regime Diferenciado de Contratações, todas as obras hídricas da região nordeste; que o exército seja convocado para esta guerra; que a SUDENE ou mesmo o próprio Ministério da Integração crie um gabinete de crise para acompanhar estas obras e convide MPU; MPF: TCU: OAB, todos que possam atestar a lisura dos atos.

O Povo Nordestino quer ver ATITUDE! blá,blá blá, chega!

Existem inúmeras tecnologias para a convivência com a Seca, mas para a SECA DE ATITUDE.........

José Queiroz de Oliveira

Administrador e Coordenador do Movimento pelo Nordeste

www.movimentopelonordeste@gmail.com


Postado em por Por José Queiroz em BlogProf. José Queiroz


Maceió é a 6a cidade mais violenta do mundo. E daí?

 

Olá,

 

Sabemos disso há anos.  E o que mudou? Ah! Depois de cinco anos patinando, depois da morte do médico Dr. Alfredo Vasco no Corredor Vera Arruda, o governo do estado fez um convênio com o governo federal e implementou um programa de combate à violência com o discurso de que a partir deste programa nossos problemas seriam resolvidos. E daí?

Daí  o governo federal cumpriu a sua parte no plano, porém o governo do estado.....

Vejamos:

A estrutura das policias mudou? As nossas delegacias tiveram recuperadas as suas estruturas físicas e de TI ou continuam com aquela aparência de foram bombardeada por um caça  americano?

E com relação ao contingente de pessoal, todas as vagas foram preenchidas? Quantas delegacias especializadas nós temos na sexta capital mais violenta do mundo? E o IML, e o Instituto de Criminalística os grande responsáveis pelas provas técnicas dos processos criminais?

Agora o mais importante e onde o Plano deve está dando água: o processo de pessoal. Explico:

Em todo processo de planejamento a etapa correspondente à execução é o cerne da questão, é a mais crucial. É neste momento que nos perguntamos: temos todas as competências necessárias para executar este plano? Se não as temos o que precisamos incorporar de competências para que o nosso plano possa lograr o êxito que esperamos?

Respondendo a estas perguntas e com rapidez, criatividade e comprometimento suprindo todas as carências possíveis, com toda a certeza, este Plano de Segurança poderia está dando resultados melhores.

O processo de pessoal é mais importante do que os processos de estratégia e operações. Afinal de contas, são as pessoas que criam e executam as estratégias, e,  se elas não estiverem comprometidas, apenas o envolvimento não será suficiente para se realizar o potencial que tem o Plano.

Um processo de pessoal bem feito avalia as pessoas de forma precisa e profunda, desenvolve os talentos em termos de liderança – em todos os níveis e todos os tipos – , e premia resultados alcançados.

Muitas empresas  - e na área pública não é diferente- , fracassam por colocar a ênfase na operação sem antes fazer um processo competente de pessoal. Analisam as competências baseando-se no trabalho que as pessoas estão fazendo hoje, quando na verdade o mais importante é saber se as pessoas de hoje poderão fazer o trabalho que se exigirá amanhã.

Rezo para que as manchetes mudem para melhor, mas a verdade é que se queremos resultados melhores, diferentes, não vamos conseguir fazendo as coisas da mesma forma como fazemos há anos.

 

 


Postado em por proprio em BlogProf. José Queiroz


Vem aí o tablet paraibano. “macho sim sinhô”.

Olá,

 

Veja que com planejamento e execução é possível romper barreiras antes inimagináveis  aqui na nossa região nordeste e, acredite, não só na área de tecnologia, em todas as áreas do conhecimento humano, bastar querer, planejar e ser rigoroso e persistente na execução.

A partir de incentivos do governo federal e do estado da Paraíba, uma fábrica instalada em Campina Grande está produzindo um Tablet que deverá chegar ao mercado agora em Abril de 2013.

O seu diretor de operações da N3, Clóvis Machado Nogueira Neto garante que os tablets não deixam a desejar em relação à concorrência e que todo o processo de fabricação é feito em Campina Grande.

Com relação ao processo de produção ele é o mesmo que é feito na Foxcom em São Paulo para produção dos Ipads da Apple, a manipulação humana só ocorre na hora de testar o produto final.

A grande diferença, segundo o diretor da N3, “é que os tablets que hoje estão no mercado - a maioria deles é importada - e em geral considero eu, de baixa qualidade. O mercado consumidor tem comprado tablets que não têm algumas características mínimas para você ter uma boa experiência de uso com o produto. O tablet que está sendo lançado, como todos nossos outros produtos, é algo que atende a expectativa de qualidade e de experiência de uso do produto”.
 

Com relação ao preço o diretor afirma que esse produto deva custar na cadeia varejista para o consumidor final, a depender do modelo, entre R$ 349 a R$ 399.
 

São esses exemplos que me enchem de orgulho e me move, diuturnamente, por um nordeste de sucesso, objetivo maior do nosso *Movimento Pelo Nordeste que, a cada dia, cresce em participação.

*movimentopelonordeste@gmail.com

 



 


Postado em por Redação em BlogProf. José Queiroz


De cada cem jovens alagoanos que concorrem a uma vaga em cursos técnicos apenas três logram êxito.

Olá,

 

O que se dizer de uma indústria que produz 70% dos seus produtos com baixa qualidade ou com uma qualidade aquém do que o mercado consumidor deseja? A falência é o resultado anunciado.
O que se dizer de um estado que está produzindo, ininterruptamente, cidadãos com competências aquém da exigência do mercado de trabalho, ou mesmo do “mercado social “? A falência? Mas estado não fale como uma indústria. Mas é pior ainda, o resultado desse descalabro é traduzido em mais violência, miséria em todos os sentidos, numa sociedade de baixa autoestima, subjugados, subnutridos na maior extensão que se pode dar ao termo.
Em uma reunião do Movimento pelo Nordeste aqui em Maceió, ouvi um depoimento assustador e revelador, mas não inédito.
Uma pessoa que trabalha em uma de nossas instituições de ensino profissionalizante revelou que 80% das vagas destinadas a jovens aprendizes, ofertadas pelas instituições formadoras de Alagoas não são preenchidas, as famílias não se interessam, não participam da seleção.
Fomos então procurar entender o que não se consegue explicar e após poucos minutos de discussão encontramos a causa dessa, diria, “pré-evasão”. É que para participar da formação o jovem tem que fazer uma prova onde é buscado o mínimo de conhecimento para que o mesmo tenha um bom desempenho no curso, e ai com uma educação deficiente muitos nem concorrem e de cem inscritos, três conseguem aprovação em média. Um desastre.
As consequências disso vocês já sabem, estão aí por todo canto. O que poderemos fazer? Olhando para onde caminha o mundo, o Brasil e, fazendo um contraponto com o caminhar do estado de Alagoas, a tendência que aflora é a potencialização e perpetuação da miséria neste belo estado, porque não estamos cuidando daquele aspecto fundamental e único capaz de reverter este quadro a EDUCAÇÃO.
E estou convicto que não sairemos deste quadro sem a participação do conjunto da sociedade alagoana, por isso elegemos como bandeira principal do MOVIMENTO PELO NORDESTE, para o estado de Alagoas a educação. Pretendemos dar a nossa contribuição, oferecer diagnósticos, sugerir ações, cobrar atitudes dos responsáveis, tudo que se espera de um tecido social atuante e revolucionário.
Se você deseja participar deste movimento social o primeiro passo é acessar o facebook e digitar MOVIMENTO PELO NORDESTE, mande a sua solicitação de participação e se informe de todas as ações e reuniões previstas.
O que desejamos com este movimento é criar um sistema adocrático para a nossa região nordeste, pois o sistema burocrático que assistimos hoje é o resultado de uma sociedade de ritmo mais lento, passiva e subjugada. Uma região adocrática, um estado alagoano adocrático significará criar um ambiente contemporâneo composto de instituições que produzam bens e serviços de qualidade e que tenham profundo respeito pela comunidade, numa visão moderna de cliente.


Vamos à lutaaa!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

 


Postado em por Redação em BlogProf. José Queiroz


Prêmio Octávio Brandão será lançado dia 27.03.2013

Olá,

 

A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes-AL), o Sindicato dos Jornalistas (Sindjornal) e a Braskem já definiram o calendário do Prêmio Octávio Brandão de Jornalismo 2013. O concurso, pioneiro na área de meio ambiente e sustentabilidade, completará dez anos em junho, prometendo inovações que vão tornar a edição histórica.

O lançamento será no dia 27, a partir das 8 horas, no Cinturão Verde da Braskem. As novidades serão apresentadas durante um café da manhã para a imprensa, do qual participarão também ambientalistas, dirigentes de órgãos públicos e empresários da comunicação.

Os organizadores estimam que mais de 100 jornalistas concorrerão na edição dos dez anos. Esse índice já foi superado em 2012, quando a participação cresceu 50%. O número de trabalhos inscritos também bateu recorde no ano passado, chegando a um acréscimo de 80%.

“A pauta ambiental em Alagoas cresceu muito nos últimos anos, fruto da agenda nacional e internacional e também do Prêmio Octávio Brandão. Meio ambiente passou a ser cobertura do cotidiano, com muitos profissionais estimulados para o tema”, destaca Valdice Gomes, presidente do Sindicato dos Jornalistas. Para o coordenador do Núcleo de Ecojornalistas de Alagoas (NEJ-AL), Carlos Roberto Pereira, além de mais espaço nos veículos de comunicação, a cobertura ambiental vem ganhando em qualidade.

Paralelo ao lançamento da décima edição, serão abertas no dia 27 as inscrições para os jornalistas. Cada profissional poderá concorrer com até quatro trabalhos, nas categorias Jornalismo Impresso-Texto, Jornalismo Impresso-Imagem, Telejornalismo, Reportagem Cinematográfica e Webjornalismo. Fica mantida ainda a categoria Estudante, que contempla os alunos de jornalismo com trabalhos publicados nos veículos laboratórios das faculdades.

Outras informações sobre o Prêmio, incluindo o regulamento, serão repassadas durante o lançamento da décima edição. Os organizadores distribuirão um folder com os presentes e, posteriormente, farão visitas às redações.

O Prêmio Octávio Brandão de Jornalismo Ambiental 2013 será entregue aos vencedores no dia 8 de junho, durante solenidade festiva em uma casa de eventos de Maceió. Os ganhadores vão receber R$ 37 mil, além de troféus, que serão divididos entre o 1º, o 2º e o 3º colocado de cada categoria.

Fonte: Sindjornal e NEJ-AL