Postado em 02/08/2010 às 02:41 por Redação em Política

Enchentes podem tirar 12,34% de eleitores em Alagoas

Muitos eleitores perderam o título e a carteira de identidade

As enchentes que atingiram os Estados de Alagoas e Pernambuco no mês passado e deixaram mais de 50 mortos ameaçam as eleições deste ano em 29 municípios. As chuvas destruíram os locais de votação, como escolas.

Muitos dos eleitores perderam todos os documentos pessoais, incluindo título de eleitor e carteira de identidade. Em alguns municípios, não há energia elétrica para que as urnas eletrônicas possam funcionar.

O risco é de que os mais de 520 mil eleitores dessas cidades fiquem sem votar. Se isso ocorrer, o resultado das eleições será afetado. Em Pernambuco, 4,35% do eleitorado mora nas cidades atingidas. Em Alagoas, o porcentual é de 12,34%.

Mais do que influenciar no resultado das eleições, diz o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) , ministro Ricardo Lewandowski, o risco é de que os moradores dessas regiões sejam privados de exercer um direito fundamental.

Para contornar a situação e garantir a realização das eleições nesses municípios, o TSE está preparando uma operação emergencial. "Teremos uma eleição numa praça de guerra", definiu o presidente do órgão, que visitou as cidades atingidas. "Nosso desafio é garantir que todos os eleitores dessas cidades possam votar", acrescentou.

O Exército montará tendas nas cidades para substituir os locais de votação destruídos pelas enchentes. O TSE se encarregou de mandar baterias especiais para ligar as urnas eletrônicas. A Força Nacional de Segurança e o Exército farão a segurança. A Justiça Eleitoral emitirá novos títulos de eleitor. E as secretarias de segurança pública se comprometeram a agilizar a emissão de novas carteiras de identidade.

Mas esse processo, especialmente a emissão de novos documentos, será problemático. Os cartórios de registro das cidades também foram destruídos. E como muitos eleitores perderam todos os documentos pessoais, as autoridades locais terão de recorrer a todo tipo de provas para confirmar a identidade do eleitor, desde testemunhas até os livros de batismo das igrejas.

O alento para a Justiça Eleitoral é que as cidades afetadas são pequenas. Os moradores, geralmente se conhecem, o que pode facilitar o processo.

Voluntários. Outro desafio será encontrar mesários para as eleições. Aqueles que foram convocados pela Justiça Eleitoral podem ter perdido suas casas. No dia das eleições, portanto, será impossível achá-los no endereço residencial para intimá-los.

A Justiça terá de fazer nessas cidades uma campanha para encontrar voluntários para trabalhar no dia 3 de outubro. Se não tiver sucesso, moradores de cidades vizinhas poderão ser convocados para exercer a função.

No dia do pleito, os mesários vão comparar a identidade dos eleitores com o livro de registros das eleições municipais. Essa foi uma das formas encontradas para evitar fraudes nas eleições.

Postado em 02/08/2010 às 02:38 por Redação em Política

Vídeos "ridicularizando" candidatos ao governo em Alagoas são espalhados no Youtube

Cientista aponta falácia de estratégia

Um fenômeno interessante vem sendo utilizado pelos candidatos ao Governo do Estado de Alagoas. Os virais, vídeos produzidos específicos para a internet, vem arrebanhando cada vez mais seguidores. Eles surgem como instrumento eleitoral barato e que circula de forma fácil - pela grande rede.

O Cada Minuto entrevistou o cientista político Eduardo Magalhães para entender um pouco mais o fenômeno.

Ao que tudo indica, essa ferramenta eleitoral vem sendo usada desde o surgimento da Internet, mas, foi na campanha do senador americano Barack Obama – em 2006 – que se popularizou.

“Obama soube utilizar muito bem as redes sociais. Ele conseguiu reunir o potencial da internet a serviço de sua candidatura e deu no que deu: ele foi eleito presidente”, apontou o estudioso. No entanto, estratégias como estas só funcionam em países de maior amplitude.

Magalhães diz que não dá para ter resultados práticos em países que apenas 7% da população eleitoral acessam a internet.

“No caso dos EUA estamos trabalhando com um universo de 90%. E tem um agravante, aqui no Brasil – principalmente em Alagoas – essa população não muda o seu voto por conta de virais”, esclareceu.

A situação se torna ainda mais delicada, pelo pouco número de jovens que tiraram seu título de eleitor e estão participando de um pleito pela primeira vez.

“Quem poderia ser influenciado por virais são o público de 16 a 17 anos. Essa eleição não teve um número a considerar de primeiros votantes. A estratégia precisa ser revista: não dá para apostar só nisso”, concluiu o cientista.

No youtube já existem "virais" contra Téo, Lessa e Collor, basta uma pequena pesquisa pra que o internauta veja os vídeos.
 

 

Postado em 01/08/2010 às 17:33 por Redação em Política

Teotonio é recebido com festa em Pindoba e Cajueiro

Assessoria

O governador e candidato à reeleição pela Frente pelo Bem de Alagoas, Teotonio Vilela Filho (PSDB) percorreu no último sábado os municípios de Pindoba e Cajueiro, no Vale do Paraíba. Em Pindoba, acompanhado do vice, José Thomáz Nonô (DEM), do candidato ao Senado, Benedito de Lira (PP) e da candidata à Assembleia Legislativa, Kátia Born (PSB), Teotonio foi recebido pelo ex-prefeito Maxuel Tenório, que representou o prefeito Francisco de Oliveira.

Depois de uma caminhada marcada pelas manifestações de afeto da população, Teotonio reverenciou a imagem do Padre Cícero, em frente ao Rio Porangaba, e ouviu do presidente da Câmara de Vereadores de Pindoba, José Ronaldo, o Deda, um apelo para realização do maior sonho dos moradores: a pavimentação do acesso à cidade. Imediatamente, Teotonio tratou de tranquilizar o vereador e todos que se reuniram para ouvir as palavras do governador.

“Já fizemos a licitação para a pavimentação da estrada de acesso. As obras só não começaram ainda por causa das chuvas. Mas teremos o início do primeiro trecho, a ladeira na entrada da cidade, ainda este ano. E em seguida faremos o resto da estrada. Esse é um compromisso meu reforçado pela minha vinda a Pindoba”, garantiu o governador, em meio a uma estrondosa salva de palmas da multidão.

Cajueiro

Depois da recepção calorosa em Pindoba, Teotonio seguiu para o município de Cajueiro, onde se reuniu com o prefeito Palmery Neto e com o deputado estadual e candidato à reeleição Fernando Toledo (PSDB). Depois dos encontros, Teotonio manifestou sua felicidade por se o primeiro candidato ao governo de Alagoas a unir todas as correntes políticas de Cajueiro ao seu lado. “Isso me deixa muito orgulhoso, mas também aumenta minha responsabilidade com o município”, disse.

Teotonio também ficou impressionado com a receptividade da população durante a caminhada pelo município, quando jovens e idosos, homens e mulheres correram para manifestar seu carinho e apoio ao governador. Em comício na Praça Padre Cícero, emocionado pela homenagem feita a seu pai, Teotônio Vilela, o governador lembrou das vezes em que, ainda criança, percorria as ruas de Cajueiro ao lado do eterno Menestrel das Alagoas.

“Esse Teotônio me ensinou muitas coisas. Entre essas coisas, ele me ensinou que política e seriedade podem e devem andar juntas. Ele me ensinou que política e decência podem andar juntas, e que a política pode ser feita com escrúpulos. É mais trabalhoso, mas é o Caminho do Bem, é o caminho correto”, ressaltou.

Depois de enumerar os avanços do Estado durante se governo, Teotonio destacou a postura tranquila com a qual conduz os destinos de Alagoas e reforçou seu compromisso de manter o Estado por mais quatro anos nos trilhos do desenvolvimento.

“Não xingo a mãe de quem quer que seja porque me criticou. Não tenho afetação ou chiliques. Trabalho com tranquilidade mas com firmeza e hoje Alagoas avança. Os alagoanos hoje podem olhar para o futuro com esperança. E mais uma vez quero honrar as palavras do velho Teotônio, com uma político feita de trabalho, para melhorar a qualidade de vida das pessoas”, encerrou Teotonio.

Postado em 01/08/2010 às 10:51 por Redação em Política

Justiça Eleitoral recomenda pesquisa antes do voto

A divulgação da tradicional campanha da Justiça Eleitoral de esclarecimento e conscientização do eleitor sobre as eleições gerais já começou. Os 26 filmes e comerciais de rádio não mencionam a Lei da Ficha Limpa, mas recomendam, expressamente, que o eleitor pesquise a vida pregressa dos candidatos e escolham nomes com bons antecedentes.

A campanha, que foi ao ar ontem à noite em cadeia nacional, começou com um pronunciamento oficial do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski. Agora, emissoras de rádio e TV terão de reservar 10 minutos diários para exibir as peças publicitárias até 3 de outubro.

Além de esclarecer dúvidas sobre o voto em trânsito, digitação dos números dos candidatos nas urnas e recomendar o uso de "colas" para reduzir o tempo gasto nas cabines de votação, um dos filmes lembra que, pela primeira vez, o eleitor terá de comparecer à seção com o título eleitoral e carteira de identidade com foto.

Outra novidade lembrada pelos filmetes é a possibilidade de o eleitor votar para presidente e vice-presidente mesmo se não estiver em seu domicílio eleitoral. A campanha esclarece as providências que o eleitor tem de tomar para garantir a prerrogativa no dia das eleições.

Pesquisa qualitativa encomendada pelo TSE mostrou que a maioria do eleitorado desconhece as funções dos ocupantes dos cargos eletivos. Por isso, filmetes vão detalhar as atribuições de deputados estaduais e federais, senadores, governadores e do presidente.

Postado em 01/08/2010 às 07:53 por Redação em Política

Ibope - Serra só ganha de Dilma no Sul

Na divisão geográfica do eleitorado, de acordo com dados da pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira , a petista Dilma Rousseff subiu de 32% para 37% no Sudeste e passou de uma desvantagem de cinco pontos para uma situação de empate técnico.

José Serra do PSDB tem 35% no Sudeste, o maior colégio eleitoral do país. No Nordeste, Dilma tem praticamente o dobro das intenções de voto do adversário (49% a 25%). Em um mês, sua vantagem na região se ampliou de 18 para 24 pontos.

Já no Norte/Centro-Oeste, houve uma inversão de posições: o tucano liderava por 41% a 33% e agora perde por 40% a 33%. O Sul foi a única área em que Serra cresceu. Com 46% na região, sua vantagem sobre a adversária passou de 7 para 15 pontos.

Na simulação de segundo turno, o Sul é a única região em que Serra ficaria à frente (50% a 38%) se a votação fosse realizada hoje. Dilma teria seu melhor resultado no Nordeste (55% a 32%) e ficaria com quatro pontos a mais que o rival no Sudeste e no Centro-Oeste.

Com a distância de quatro pontos, os candidatos podem estar empatados no limite da margem de erro - dois pontos a mais em um caso e dois pontos a menos no outro. É um resultado possível, ainda que estatisticamente improvável.

Na pesquisa espontânea - modalidade em que os eleitores manifestam suas preferências antes de ler a lista de candidatos -, a vantagem da ex-ministra da Casa Civil chega a oito pontos (27% a 19%).

Dilma tem 11 pontos a mais que Serra no eleitorado masculino (44% a 33%), e empata com o tucano entre as mulheres (35% a 35%). No levantamento anterior, o tucano tinha uma vantagem de sete pontos no eleitorado feminino.

Na divisão do eleitorado por renda, Dilma tem vantagem maior entre os mais pobres. Ela lidera por 38% a 28% entre os eleitores cuja renda familiar é de até um salário mínimo. Na faixa de renda de cinco salários ou mais, a petista aparece com 40% e Serra, com 36%.

O tucano está à frente no quesito rejeição - 24% dos eleitores afirmam que não votariam nele de jeito nenhum. No caso de Dilma, 19% dão essa resposta.

O Ibope também mediu a expectativa de vitória. Quase metade do eleitorado (47%) acha que a petista será a sucessora do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Para 32%, o vencedor será Serra.

Postado em 01/08/2010 às 07:31 por Redação em Política

Serra é multado pelo TSE pela sexta vez

O presidenciável José Serra(PSDB) recebeu neste sábado duas multas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no valor total de R$ 10 mil, por propaganda eleitoral antecipada. O PSDB paulista também foi multado duas vezes, no total de R$ 15 mil, pelo mesmo motivo. Com as autuações deste sábado, Serra já acumula seis multas por propaganda antecipada.

As multas foram aplicadas pelos ministros Henrique Neves e Joelson Dias. A razão foi a inserção de Serra no horário eleitoral regional para fazer propaganda antecipada em favor do candidato. A inserção foi veiculada pela TV Globo nos dias 24, 26 e 31 de março deste ano.

O Ministério Público, autor da ação junto ao TSE, apontou irregularidade em seis inserções regionais veiculadas neste período. Mas cinco não foram consideradas propaganda antecipada, já que Serra, então governador de São Paulo, não se referia a fatos futuros, nem utilizou expressões consideradas slogan de campanha. Mas a sexta inserção, segundo o TSE, extrapolou os limites legais.

Postado em 01/08/2010 às 05:07 por Redação em Política

TSE livra juízes eleitorais de quarentena. Decisão contraria CNJ

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu que os juízes eleitorais egressos da advocacia não precisam cumprir quarentena.

Eles podem deixar o tribunal num dia e começar a advogar no outro em matérias eleitorais.

A decisão abrange o TSE e os TREs (Tribunal Regional Eleitoral). Dois ministros do TSE que são advogados de carreira agiram em causa própria: Henrique Neves e Arnaldo Versiani.

Eles votaram contra a quarentena durante a discussão de questão de ordem apreciada no TSE em 8 de junho.

A decisão causou polêmica no meio jurídico porque o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), responsável por regulamentar o Judiciário, já havia decidido que a quarentena prevista na Constituição para todos os juízes também atinge a Justiça Eleitoral.

Postado em 01/08/2010 às 06:24 por Redação em Política

Ficha Limpa cassa candidatura Pedro Henry (PP-MT)

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso negou neste sábado, por unanimidade, o registro de candidatura à reeleição do deputado federal Pedro Henry (PP), um dos réus no escândalo do mensalão.

É o primeiro caso de candidatura negada pela Justiça Eleitoral do Estado com base na lei da Ficha Limpa.

Henry faria neste sábado um grande evento de lançamento de candidatura, da qual participariam o ex-governador Blairo Maggi (PR), candidato ao Senado, e o atual Silval Barbosa (PMDB), que tenta a reeleição. Até o início da tarde, a programação estava mantida.

O escândalo mensalão veio à tona em 2005, quando o então deputado federal Roberto Jefferson (PTB-RJ) denunciou o esquema de compra apoio de parlamentares da base de sustentação por parte do PT.

Na semana passada, Pedro Henry havia se tornado inelegível por três anos por conta de um outro processo, iniciado na eleição de 2008, quando seu irmão Ricardo Henry (PP) venceu a eleição para prefeito de Cáceres (200 quilômetros a oeste de Cuiabá).

Os irmãos foram acusados de abuso de poder econômico e uso indevido de veículo de comunicação. Este processo não tinha como base a lei da Ficha Limpa.

O registro de candidatura do deputado foi questionado por meio de três ações de impugnação - protocoladas pelo Ministério Público Eleitoral, pelo candidato ao Senado Pedro Taques (PDT) e pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE).

Este último foi desconsiderado pelo TRE, que não viu legitimidade no pleito da ONG.

Para negar o registro, o juiz eleitoral Márcio Vidal levou em conta uma condenação por colegiado aplicada a Pedro Henry em 11 de novembro de 2007.

Na época, ele foi considerado culpado por compra de votos na eleição de 2006, quando se reelegeu. As investigações apontaram que pessoas carentes de Cáceres, seu reduto eleitoral, receberam vantagens financeiras em troca de votos. Cassado, ele recorreu ao TSE e se manteve no cargo.

Postado em 01/08/2010 às 06:03 por Redação em Política

Marina se irrita com pergunta sobre célula-tronco

A candidata do PV à sucessão presidencial, Marina Silva, não conseguiu disfarçar a irritação, neste sábado, em seu último dia de visita a Recife, quando um repórter indagou sua posição sobre o uso de células-tronco embrionárias.

Na sexta-feira, a Agência de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA) anunciou que vai liberar o uso dessas células para uma primeira aplicação em humanos.

- Posso fazer uma pergunta? Por que vocês (jornalistas) nunca se interessam pelo que a gente está fazendo? Tenho muito respeito por vocês, são meus parceiros, mas será que isso (a visita ao Coque, um dos bairros mais pobres da capital) não tocou ninguém? Já falei tantas vezes sobre célula-tronco. Mas será que ninguém está interessado nisso aqui? Se ninguém faz nada, as crianças vão continuar morrendo e pedindo esmola no sinal - reclamou, para em seguida dizer ser contra a pesquisa com células-tronco embrionárias:

- Sou favorável a pesquisa com células-tronco adulta.

Mais cedo, Marina já havia reclamado dos preconceitos que sofre por parte da sociedade por ser "evangélica" e advertiu que não se pode privar aqueles que seguem essa orientação religiosa de ter os "seus alinhamentos políticos", porque quem o fizer estará condenando a "segregação política uma comunidade que é muito importante para o país".

Postado em 01/08/2010 às 05:42 por Redação em Política

Propaganda de aliados não cita Serra

Com 25 dias de campanha, os candidatos a governador aliados de José Serra (PSDB) nos oito maiores colégios eleitorais do país ainda não incorporaram a imagem do tucano em seus santinhos, adesivos e cartazes.

Até sexta-feira, só a campanha de Antonio Anastasia, em Minas Gerais, começava, timidamente, a produzir material casado. Mesmo em São Paulo, base de Serra, ainda não há material com ele ao lado de Geraldo Alckmin -exceto painéis em encontros de sua coligação.

Nos sites dos candidatos nesses Estados, que representam 94 milhões de eleitores, não havia um único material de campanha casado disponível para download. Nem mesmo na apresentação das páginas havia uma foto do candidato.

A foto oficial de Serra, em alta resolução, está disponível no seu site oficial desde o início da corrida presidencial. Com ou sem Serra, o custo de imprimir um adesivo, por exemplo, é o mesmo.

O cenário é distinto do de sua adversária Dilma Rousseff (PT), cuja imagem acompanhava o material de campanha de seus aliados em 7 desses 8 Estados

Postado em 01/08/2010 às 05:21 por Redação em Política

Mantega: alvo de dossiê atribuído a bancários do PT

Na briga por cargos e poder na administração do presidente Lula, até o ministro Guido Mantega (Fazenda) foi alvo de um dossiê apócrifo que o próprio governo identifica como elaborado pela ala do partido egressa do sindicalismo bancário.

O material, obtido pela Folha, traz acusações de tráfico de influência no Banco do Brasil contra a filha de Mantega, a modelo Marina. No final de abril, o papel foi enviado para a presidência do BB, para o gabinete de Mantega e para a Casa Civil.

O objetivo era forçar o ministro a desistir de nomear o vice-presidente do BB Paulo Caffarelli para a presidência da Previ (fundo de pensão dos funcionários do banco), um colosso de R$ 150 bilhões de patrimônio.

Caffarelli acabou preterido por ordem do Planalto, mas os bancários também saíram enfraquecidos. O nome por eles defendido para assumir a presidência da Previ, Joílson Ferreira, não foi escolhido.

Além disso, os dois principais expoentes do grupo, o ex-presidente do PT Ricardo Berzoini e o ex-presidente da Previ Sérgio Rosa, perderam espaço no governo e foram alijados da campanha de Dilma Rousseff à Presidência.

O papel traz dados inverídicos. Diz, por exemplo, que Caffarelli autorizou, quando esteve na Previ (foi gerente de investimentos imobiliários entre 1999 e 2000), aplicações em títulos e ações desastrosas para o fundo.

Sua área, porém, não tinha relação com renda variável.

Mas o documento relata também que Marina esteve com Caffarelli para encaminhar pleitos por diversas vezes na sede do BB em São Paulo. Segundo Caffarelli, os encontros realmente ocorreram. Marina nega.

Caffarelli disse à Folha que a recebeu em três ocasiões e contou, de forma genérica, quais foram os pedidos. Mas afirmou que nenhum foi levado adiante.

Na versão dele, o primeiro pedido foi para a abertura de conta para a loja de uma amiga. Na segunda ocasião, ela teria solicitado informações sobre uma linha de crédito para exportação de frango. Na terceira, queria renegociar dívidas de uma empresa.

No último caso, segundo a Folha apurou, tratava-se da Gradiente. Marina namora um dos sócios da empresa, Ricardo Staub. Mas o banco manteve as medidas judiciais contra a empresa.

Apenas pessoas de dentro da máquina pública saberiam dos encontros de Marina com Caffarelli.

Nas últimas quatro semanas, a Folha ouviu nove pessoas que fazem parte da estrutura do governo. Todas confirmaram que, para o Planalto, a cúpula do BB e a Fazenda, partiu dos bancários a produção do dossiê.

Postado em 01/08/2010 às 05:01 por Redação em Política

Em 4 anos, deputados enriqueceram 50%

Os deputados federais que tentarão a reeleição em outubro ficaram, em média, 51% mais ricos nos últimos quatro anos, indica levantamento feito pela Folha.

Juntos, os 419 deputados federais identificados pela reportagem que buscam um novo mandato declararam à Justiça Eleitoral bens que somam mais de R$ 1,7 bilhão.

Em 2006, o valor era de pouco mais de R$ 1,1 bilhão.

Ao menos 121 deputados (quase 30%) desse grupo mais do que dobraram de patrimônio no período.

O crescimento médio é também bem superior à inflação acumulada -que entre uma declaração e outra foi de 20,5%, de acordo com o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).