Postado em 25/06/2010 às 18:06 por Redação em Política

Serra: Álvaro Dias é "sem dúvida um bom nome"

O candidato à presidência da República pelo PSDB, José Serra, afirmou nesta sexta-feira (25) que o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) é "sem dúvida um bom nome" para ser o candidato a vice em sua chapa. Após assistir ao jogo Brasil x Portugal em Bragança Paulista, Serra confirmou que o presidente de sua legenda, senador Sérgio Guerra, está cuidando das últimas negociações com os partidos aliados sobre quem será o seu vice. Na noite desta quinta (24), a cúpula tucana se reuniu para tratar da questão e o consenso foi o nome de Álvaro Dias.

"A questão está sendo encaminhada pelo nosso presidente nacional, Sérgio Guerra, que está fazendo conversas e reuniões com os outros partidos para chegar a definição", afirmou Serra.

O candidato tucano ainda disse que a decisão sobre a escolha de seu vice será formalmente divulgada neste final de semana ou no começo da semana que vem.

O presidente do PPS, Roberto Freire, confirmou a escolha à reportagem do Terra. Segundo ele, os tucanos fecharam o nome na noite anterior. Freire avalia que "é uma boa escolha". A decisão desagrada o DEM, já que o partido também brigava pela vaga. José Serra deve ir ao Rio de Janeiro para participar da convenção nacional do PPS neste sábado. Aliados tucanos afirmam que o candidato deve conversar com o deputado federal Rodrigo Maia (RJ), presidente do DEM.

Na última quarta-feira (23), Guerra telefonou para Álvaro Dias e avisou que, caso seu irmão Osmar Dias (PDT-PR) aceitasse o acordo de concorrer ao Senado na chapa do ex-prefeito de Curitiba Beto Richa, as lideranças tucanas tentariam convencer o DEM a conceder a vaga de vice do presidenciável José Serra a ele. Osmar Dias é o nome indicado por sua atual legenda para disputar o governo do Paraná na chapa com PMDB e PT.
 

Postado em 25/06/2010 às 16:06 por Redação em Política

Jefferson diz no Twitter que vice de Serra será Dias

Segundo petebista, senador do Paraná formará chapa puro-sangue do PSDB

O presidente do PTB, Roberto Jefferson, antecipou em seu Twitter o possível anúncio do vice de José Serra, candidato à Presidência pelo PSDB. De acordo com o ex-deputado, o também tucano Alvaro Dias será o companheiro de chapa de Serra. Atualmente, Dias é senador pelo Paraná.

Na mensagem, postada durante o jogo do Brasil contra Portugal na Copa do Mundo, Jefferson diz que foi o presidente tucano, Sérgio Guerra, quem confirmou a ele o nome de Dias.

- Estou no Graal em Juiz de Fora. Falei agora com o Sergio Guerra. O vice será o Alvaro Dias.

O PTB oficializou sua adesão à campanha de Serra no último sábado (19), durante sua convenção em São Paulo. Na ocasião, o próprio Jefferson sugeriu o nome do ex-deputado Benito Gama (PTB) para a vaga. O principal aliado de Serra na campanha, o DEM, também reivindicava o posto e tinha como um dos favoritos para a indicação o deputado federal José Carlos Aleluia (BA).

A reportagem do R7 tentou falar com o presidente do PSDB para confirmar a informação, mas ele não atendeu às ligações, assim como Dias.
Também pelo Twitter, o senador Sérgio Guerra respondeu dizendo que o PSDB ainda está consultando líderes e presidentes dos partidos aliados para decidir o candidato a vice.

- Nossos prazos serão mantidos. Continuem torcendo pelo Brasil.
 

Postado em 25/06/2010 às 18:06 por Redação em Política

Ficha Limpa: 1º político entra com mandado de segurança

O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu nesta quinta-feira o primeiro mandado de segurança em relação à Lei da Ficha Limpa. José Carlos Gratz (PSL), ex-deputado estadual por quatro mandatos e possível candidato ao Senado ou ao governo do Espírito Santo, quer que o Supremo reconheça o direito de ter seu pedido de registro de candidatura deferido pela Justiça Eleitoral.

Os advogados de Gratz argumentam que ele é vítima de perseguição política, e que isso "resultou no ajuizamento de mais de 200 ações civis e penais públicas, sem que tenha uma única condenação transitada em julgado".

Em um dos casos que chegou à Justiça, Gratz foi condenado a dois anos e seis meses de reclusão e ao pagamento de multa pelo crime de corrupção eleitoral. Ele foi acusado pelo Ministério Público Eleitoral de calçar ruas de Vila Velha (ES) com o objetivo de obter os votos dos moradores.

Em 2003, o plenário do TSE confirmou a cassação do registro de candidatura de Gratz, então preso, por abuso de poder político na realização de sua campanha em 2002. Ele não chegou a assumir o cargo de deputado estadual, para o qual foi eleito.

O ministro Dias Toffoli, que recebeu o processo, decidiu enviá-lo para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por entender que a matéria não é de competência do STF. "A Súmula do Supremo Tribunal Federal nº 624 é expressa ao determinar que 'não compete ao STF conhecer originariamente de mandado de segurança contra atos de outros tribunais'", disse Toffoli em seu parecer.

Postado em 25/06/2010 às 07:06 por Redação em Política

Renan Calheiros diz que Estado precisa de pressa para ser reconstruído

Senador destaca visita de Lula a Alagoas

Divulgação

O senador Renan Calheiros (PMDB) destacou como muito importante a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta quinta-feira, 24, para verificar “in loco” os prejuízos causados pelas chuvas caídas na semana passada em 26 municípios alagoanos. O presidente anunciou a liberação de R$ 275 milhões para reconstrução das áreas destruídas, além de outros R$ 26 milhões que foram liberados pelo Ministério da Saúde para prevenção de doenças, além de R$ 51 milhões para recuperação das escolas públicas estaduais.

“O presidente deu a resposta que era necessária nesse momento, os recursos virão, mas é preciso fiscalizar é claro, dá transparência a execução, simplificar a burocracia senão as coisas não andam no tempo certo”, afirmou o senador. Durante esta semana, o senador Renan usou a tribuna do Senado para pedir pressa nas medidas urgentes por parte do governo federal para a reconstrução dos municípios atingidos pela enchente da semana passada, que deixaram mais de 30 mortos, cerca de 180 mil pessoas atingidas e cidades praticamente destruídas.

No auditório do Aeroporto Zumbi dos Palmares, o presidente se reuniu com prefeitos dos municípios atingidos pelas enchentes e ouviu relatos dramáticos sobre a situação de catástrofe que se abateu após as inundações causadas pelas águas dos rios Mundaú, Paraíba e Canhoto. O presidente da Associação dos Municípios, Luciano Barbosa, também esteve presente. Antes de se reunir com os prefeitos, o presidente fez uma visita a Rio Largo para observar de perto os estragos causados pelas chuvas, onde também conversou com algumas pessoas.

Lula não quer que as vítimas da chuva nos municípios de Alagoas e Pernambuco voltem a morar na beira de rios. Essas foram áreas mais atingidas pelas enchentes. “Foi irresponsabilidade, no passado, deixar as pessoas morarem na beira do rio, mas será muito mais irresponsabilidade a gente deixar reconstruir na beira do rio”, disse o presidente, após visita às áreas atingidas. “Temos a obrigação política, humana e moral de ajudar para reconstruir o que foi destruído nos estado de Alagoas e Pernambuco”, disse Lula.

Na caravana com o presidente Lula vieram diversos ministros, entre eles a da Casa Civil, Erenice Guerra; do Planejamento, Paulo Bernardo; das Cidades, Márcio Fortes e da Integração Nacional, João Santana.

Recuperação da rede elétrica

O senador conversou também com o presidente das distribuidoras de energia da Eletrobras, Paulo Hosken, no aeroporto, quando foi informado das medidas e ações que a empresa está adotando para suprir a falta de energia nas cidades atingidas. Segundo Hosken, a maior dificuldade dos trabalhadores da Eletrobras Alagoas ainda consiste na falta de condições de acesso aos locais que precisam ser recuperados devido aos estragos que às chuvas causaram.

Destacou também a parceria que empresas do setor privado estão adotando para ajudar na recuperação da rede elétrica, como a Vale, que se ofereceu para doar transformadores.

Postado em 25/06/2010 às 05:06 por Redação em Política

Pesquisa fragiliza palanques de José Serra

A liderança de Dilma Rousseff (PT) na última pesquisa CNI/Ibope enfraqueceu ainda mais a já fragilizada costura de alianças de José Serra (PSDB) nos Estados.

Santa Catarina é um exemplo: sob pressão do comando nacional, o PMDB local (até então fechado com PSDB e DEM) definirá seu futuro amanhã em uma convenção.

No Estado, parte do PMDB cogita lançar candidato próprio, desmontando o palanque de Serra. Na quarta-feira, o ex-governador e candidato ao Senado Luiz Henrique Silveira avisou Serra que levaria a disputa à convenção.

"Esse Sul está um horror", disse o presidente do PSDB-SC, Beto Martins. Ele se referia também ao Paraná. Após flertar abertamente com o PSDB, Osmar Dias (PDT) não descarta concorrer ao governo do Estado aliado ao PT.

Prometeu anunciar sua decisão ontem, mas adiou para hoje. Segundo o senador Alvaro Dias (PSDB), a resposta de seu irmão depende da escolha do vice de Serra: Alvaro diz que Osmar condiciona o apoio a Serra à sua escolha para vice na chapa.

"Osmar vai esperar até amanhã [hoje]. Já está tudo montado para ele concorrer ao governo", diz o tucano.

O desempenho de Dilma também teve reflexo no PP. Aliado de Lula, o PP chegou a discutir a hipótese de aliança formal com o PSDB quando Serra liderava as pesquisas, mas nesta semana optou pela neutralidade. No dia 7 de julho, o partido vai anunciar apoio informal a Dilma.

"É melhor fazer desta forma para evitar ter que fazer intervenção em um ou outro Estado", disse o presidente do partido, senador Francisco Dornelles (RJ). Segundo o deputado Ciro Nogueira (PP-PI), a maioria defendia a aliança formal com Dilma, mas Dornelles barrou a convocação da convenção.

Ainda ontem, a campanha de Serra tentava desatar nós em Sergipe --onde o DEM reclama da resistência do ex-governador Albano Franco a uma aliança-- e no Pará --onde o ex-governador Simão Jatene tenta evitar a candidatura do DEM ao Senado.

Postado em 25/06/2010 às 03:06 por Redação em Política

Ex-deputado entra com mandado de segurança no STF contra o Ficha Limpa

O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu nesta quinta-feira, 24, o primeiro mandado de segurança em relação à Lei da Ficha Limpa. José Carlos Gratz (PSL), ex-deputado estadual por quatro mandatos e possível candidato ao Senado ou ao governo do Espírito Santo, quer que o Supremo reconheça o direito de ter seu pedido de registro de candidatura deferido pela Justiça Eleitoral.

O ministro Dias Toffoli, que recebeu o processo, decidiu enviá-lo para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por entender que a matéria não é de competência do STF. “A Súmula do Supremo Tribunal Federal nº 624 é expressa ao determinar que 'não compete ao STF conhecer originariamente de mandado de segurança contra atos de outros tribunais'”, disse Toffoli em seu parecer.

Os advogados de Gratz argumentam que o político é vítima de perseguição política, e que isso “resultou no ajuizamento de mais de 200 ações civis e penais públicas, sem que tenha uma única condenação transitada em julgado".

Em um dos casos que chegou à Justiça, Gratz foi condenado a dois anos e seis meses de reclusão e ao pagamento de multa pelo crime de corrupção eleitoral. Ele foi acusado pelo Ministério Público Eleitoral de calçar ruas de Vila Velha (ES) com o objetivo de obter os votos dos moradores.

Em 2003, o plenário do TSE confirmou a cassação do registro de candidatura de Gratz, então preso, por abuso de poder político na realização de sua campanha em 2002. Ele não chegou a assumir o cargo de deputado estadual, para o qual foi eleito.

Postado em 25/06/2010 às 02:06 por Redação em Política

Dilma volta a dar atenção ao Nordeste para consolidar voto

O comando político da campanha de Dilma Rousseff considera que, diante dos resultados positivos da pesquisa CNI/Ibope, a candidata poderá se dedicar a viagens ao Nordeste nas próximas semanas para consolidar o voto na região em que o presidente Lula tem popularidade recorde.

A avaliação dos petistas é que a estratégia de priorizar agendas de Dilma no Sudeste em maio e junho surtiu efeitos positivos e há um certo conforto com a situação da presidenciável por causa do seu crescimento em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Dilma participará da convenção do PT na Bahia, no domingo, quando será oficializada a candidatura do governador Jaques Wagner à reeleição. A petista deverá prestigiar ainda o governador petista Marcelo Déda, que também disputa a reeleição e é primeiro colocado nas pesquisas de intenção de votos.

A agenda de Dilma no Sudeste, especialmente em São Paulo, foi definida a partir de uma pesquisa qualitativa interna, na qual foram aplicados 6 mil questionários. O PT diagnosticou núcleos no interior do Estado onde a petista era desconhecida ou tinha baixíssima aceitação.

Segundo coordenadores da campanha, Dilma não fugirá dos debates. Além da gravação no programa Roda Viva, segunda-feira, ela confirmou participação em quatro debates de TV aberta (Bandeirantes, Globo, RTV e Record).

Postado em 25/06/2010 às 02:06 por Redação em Política

Sob impacto do Ibope, Serra discute indicação de Patrícia Amorim para vice

Um dia após a divulgação da pesquisa CNI/Ibope que o mostrou pela primeira vez atrás da rival do PT, Dilma Rousseff, o candidato do PSDB à Presidência, José Serra, passou o dia ao telefone consultando os líderes mais influentes do partido tentando definir o vice de sua chapa. Serra discute, entre outros nomes, a escolha de Patrícia Filler Amorim para o posto.

Patrícia, de 41 anos, é atleta e presidente do Clube de Regatas Flamengo. Em telefonemas a vários interlocutores, entre os quais o ex-governador de Minas Aécio Neves e o senador Tasso Jereissati (CE), Serra diz que está recolhendo opiniões e ouvindo. Ao mesmo tempo, porém, não esconde seu entusiasmo pessoal com a escolha da nadadora que foi 28 vezes campeã brasileira e estabeleceu os recordes sul-americanos nos Jogos Olímpicos de Seul, 1988.

Só no sábado, 26, ele tratará desse assunto com a cúpula do DEM, que também trabalha nos bastidores para emplacar um filiado do partido na dobradinha com o tucano. Ao mesmo tempo, porém, o comando de campanha de Serra e de partidos aliados, como o próprio DEM, decidiu fazer uma reunião no fim da tarde de ontem para tratar da questão do vice e discutir os rumos da campanha. O encontro foi no QG do comando de campanha, o antigo edifício Joelma, onde funciona o Diretório Municipal da legenda.

Algo novo. A vários tucanos, Serra disse que ainda estava querendo saber melhor quem é Patrícia e que também faz questão de ouvir todo mundo. Mas adiantou que ela pode ser algo novo na campanha tucana.

Antes de se tornar a primeira mulher a presidir o Flamengo, Patrícia foi eleita por três vezes vereadora pelo PSDB do Rio, a última em 2008 e todas com a bandeira da defesa do esporte.

Embora alguns tucanos experientes ponderem que se trata de uma opção ousada e de eficácia eleitoral duvidosa, um dirigente do PSDB sustenta a tese de que o Flamengo equivale a um Bolsa-Família, com potencial para fazer com que o nome de Serra chegue a camadas mais populares do eleitorado. A aposta dos mais otimistas é que a escolha pode repercutir além das fronteiras do Rio, o que já não seria pouco considerando que ser trata do terceiro maior colégio eleitoral, com 10,9 milhões de eleitores.

O raciocínio nesse caso é que ter a presidente de um clube de futebol na chapa abre um espaço novo para Serra levar sua candidatura a conhecimento de quem não gosta nem acompanha o noticiário político. O tucanato acredita que ter o nome do candidato do partido no noticiário esportivo pode ter repercussão positiva em todo o País.

Opções. Apesar de a balança tucana pender para Patrícia Amorim, até a noite outras opções do partido não estavam totalmente descartadas. Reforçando a ideia de ter uma vice mulher, a exemplo do que ocorreu em 2002, quando o PMDB entrou na chapa com a deputada Rita Camata (ES), o próprio Serra colocou o nome da senadora Marisa Serrano (PSDB-MT) como opção.

Na seleta lista de vices tucanos também figura o nome do senador Álvaro Dias, como alternativa para fechar uma composição mais ampla com o PDT do senador Osmar Dias em um Estado importante como o Paraná. Alguns dirigentes avaliam que é preciso agregar mais votos no Sul, para alargar a vantagem de Serra na região.

O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), e seu antecessor Jorge Bornhausen têm insistido em fincar o pé na chapa presidencial com um vice do partido. Nos bastidores, líderes do DEM dizem que a presidente do Flamengo pode até levar 40 % da torcida do clube com ela, mas, nesse caso, o tucano poderá enfrentar a oposição de 60% dos cariocas que torcem para outros times. Eles afirmam que a escolha tem de passar pelos partidos aliados, e não pelo perfil de pessoas.

De qualquer forma, o DEM também já escalou sua lista de opções de vice para contrapor a qualquer critério que os tucanos venham a usar como justificativa na escolha final. Para fazer frente à alternativa Patrícia Amorim, por exemplo, sugerem a vice-presidente nacional do partido, Valéria Pires Franco, 41 anos, que já foi vice-governadora do Pará.

Argumentam que ela tem boa presença na televisão – foi apresentadora do telejornal local da TV Globo – e a simpatia de 12% do eleitorado paraense. Os tucanos replicam, dizendo que ela mesma já mandou recados de que prefere disputar uma vaga no Senado, pois tem 46% das intenções de voto para o posto, segundo pesquisas internas. No embalo dos elogios públicos feitos pelo próprio Serra, a opção nordestina do DEM para concorrer com Sérgio Guerra é o deputado José Carlos Aleluia (BA).

Postado em 24/06/2010 às 16:06 por Redação em Política

Vídeo:Collor faz corpo-a-corpo entre vítimas e se ofende com ‘palanque em tragédia’

"Não seja cafajeste", disparou o pré-candidato

Beto Macário

O pré-candidato ao Governo de Alagoas, Fernando Collor de Melo (PTB), voltou a Rio Largo para rever os efeitos da enchente do último sábado (19). Além da relação mais íntima com o prefeito Toninho Lins (PSB), o candidato tinha uma motivação extra: a presença de Luís Inácio Lula da Silva (PT).

Em meio à sequência de acontecimentos, que envolvem a exploração política da tragédia, Collor fez questão de acompanhar a comitiva de Lula por entre os destroços e ouvir mais uma vez os apelos da sociedade. Como pré-candidato ele partiu em caminhada, corpo-a-corpo, entre as vítimas.

O pré-candidato percorreu vielas do povoado da Ilha e lamentou o acontecimento. “É uma calamidade. Muitas casas caíram. É preciso muita atenção com os mais necessitados. Neste momento é preciso retirar as vítimas de suas residências, colocando-os em abrigos mais seguros, até porque muitos imóveis ameaçam desabar”, demonstrou preocupação o pré-candidato.

Mas, ao ser indagado – pela equipe do Cada Minuto - se ‘tragédia em Alagoas termina em palanque’, Collor perdeu a cabeça e respondeu irritado: “Em absoluto. Não seja cafajeste pra dizer uma coisa dessas. Tenha piedade desse povo que está sofrendo”, disparou o pré-candidato.

É preciso esclarecer, ao pré-candidato, que não foi destinado nenhum tipo de julgamento. Ao contrário, a pergunta se torna válida pela nota de repúdio emitida pela chapa ‘Frente por Alagoas’. Nela todos os partidos que compõem o grupo cobram a isenção da tragédia como instrumento político – sendo publicado, inclusive, no jornal Gazeta de Alagoas (de maior circulação estadual).

Postado em 24/06/2010 às 15:06 por Redação em Política

Vídeo:Ronaldo Lessa diz que matéria sobre "Ficha Imunda" foi paga

O ex-governador comentou sobre a reportagem no saguão do aeroporto

Beto Macário

Antes da coletiva do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Aeroporto Zumbi dos Palmares na tarde dessa quinta-feira (24), o pré-candidato ao governo, ex- governador Ronaldo Lessa(PDT), classificou uma reportagem da revista Isto É como "paga", que teria o objetivo de favorer outro candidato nas eleições de 2010. ‘’ Sei quem pagou, e no momento certo irei divulgar o nome da pessoa, estou pensando juntamente com meu corpo jurídico em processar a revista, pois foram acusações levianas’’, disse Lessa.

Na matéria, o ex-governador foi classificado com ‘ ficha imunda’, que responde a diversos processos na justiça. “São dois desvios de verbas, um do dinheiro que o governo federal mandou para a educação e outro de recursos da merenda escolar”, afirma a promotora Cecília Carnaúba, autora de uma das ações de improbidade contra Lessa. “As irregularidades do governo Lessa estão todas comprovadas com documentos”, completa Cecília na matéria da Isto É.

Lessa classificou a publicação como imunda e afirmou que não é a primeira vez que esse órgão de imprensa faz isso. "Não faço questão de que publiquem minha nota de esclarecimento, a revista é Imunda, querem ganhar a eleição no tapetão, estão com medo", finalizou Lessa.
 

Postado em 24/06/2010 às 22:06 por Redação em Política

Comando tucano se reúne hoje para definir vice de Serra

Um dia depois da divulgação da pesquisa CNI/Ibope que trouxe pela primeira vez a presidenciável do PT, Dilma Rousseff, à frente de José Serra (PSDB) na corrida sucessória ao Palácio do Planalto, o comando de campanha do tucano e de partidos aliados, como o DEM, decidiu fazer uma reunião no final desta tarde na capital para fechar a questão do vice na chapa do PSDB e discutir os rumos da campanha. Lideranças da legenda, como o presidente nacional da sigla, senador Sérgio Guerra (PE), e o presidenciável José Serra também devem participar do encontro.

Nesta manhã, um dos nomes cotados para compor a chapa de Serra como vice, a senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), esteve no QG do comando tucano de campanha, o antigo edifício Joelma (hoje denominado Praça da Bandeira), onde funciona o Diretório Municipal da legenda desde 2008 para participar de uma reunião. Em entrevista à Agência Estado, a senadora riu quando foi questionada se já havia aceitado o posto de vice de Serra. "Isso é brincadeira, não tem nada disso. Não sei de onde tiraram essa informação", disse ela. Ao final da reunião, por volta das 14 horas, Marisa informou que esteve no comitê discutindo a agenda de Serra para os próximos dias e que estava voltando para Campo Grande.

Outro nome cotado para vice na chapa tucana, o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM-BA) confirmou à Agência Estado a reunião da tarde de hoje e disse que um dos principais assuntos em pauta será mesmo a questão do vice na chapa que disputará a Presidência da República. O convite para o encontro, de acordo com Aleluia, partiu do coordenador do programa de governo do PSDB, o ex-secretário estadual Xico Graziano. Aleluia disse também que o programa de governo de Serra também será objeto de discussão.

Também hoje pela manhã, estiveram reunidos no QG tucano prefeitos aliados da região de Jundiaí e de Bragança Paulista com os candidatos ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, e ao Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB), além do coordenador da campanha Sidney Beraldo. Neste encontro, alguns prefeitos chegaram a manifestar preocupação com o quadro nacional, sobretudo com a subida da adversária do PT na pesquisa CNI/Ibope e disseram que este é o momento de se discutir formas de alavancar a candidatura Serra.

Negativas

Oficialmente, assessores do PSDB negam que a questão da vice esteja na pauta do partido. Embora não negue a reunião com Serra no fim desta tarde, a assessoria de Sérgio Guerra informou que, originalmente, o senador embarcaria em Brasília com destino a Recife, e que "talvez" fosse para São Paulo no fim da tarde.

Já o presidente nacional do DEM, Rodrigo Maia, disse que a reunião da manhã foi para discutir o plano de governo. Sobre a reunião da tarde, Maia disse que "não foi comunicado" sobre ela. "Se tiver, é com o Serra e o Guerra", disse.

Contatado pela reportagem, o presidente nacional do PPS, Roberto Freire, disse que "não recebeu nenhum comunicado sobre reunião alguma".

Postado em 24/06/2010 às 14:06 por Redação em Política

Frente Popular realiza convenção domingo na sede da Adepol

Arquivo

A Frente Popular Pró-Lessa/Pró-Dilma realiza convenção neste domingo, 27, na sede da Adepol (Associação dos Delegados de Polícia), em Jacarecica. O encontro vai ser aberto às 9h com encerramento previsto para às 17h. Os partidos que integram a Frente vão referendar os nomes de Ronaldo Lessa (PDT), candidato ao governo do Estado, Joaquim Brito (PT), vice e Renan Calheiros (PMDB) e Eduardo Bomfim (PCdoB), candidatos ao Senado, além das candidaturas proporcionais.

“Vamos realizar a convenção sob clima de grande comoção pela tragédia que aconteceu em Alagoas”, disse Ronaldo Lessa referindo-se às chuvas que caíram sobre o Estado no último final de semana e que provocaram mortes e destruição. “Somos solidários. Há municípios que estão sem sede administrativa, a Prefeitura e a Câmara foram destruídas. Precisam mais que nunca da ajuda de todos. Vamos juntos colaborar”.

Lessa lembrou 2000, quando uma tragédia semelhante ocorreu em Alagoas: “naquele momento, durante nosso primeiro governo, 100 mil pessoas ficaram desabrigadas, 27 municípios foram atingidos, houve muita destruição, mas com a ajuda de todos conseguimos superar as adversidades e recuperar o Estado”.

Em reunião, a Frente Popular decidiu mobilizar as organizações partidárias para ajudar no trabalho de reconstrução de Alagoas. Cada filiado dever levar um quilo de alimento não perecível que será entregue à Defesa Civil para ser encaminhado às pessoas vítimas das enchentes. “Estamos empenhados na ajuda aos necessitados, é dever de cada cidadão dar sua parcela de contribuição neste momento”, destacou Ronaldo Lessa.

Representantes dos partidos que integram a Frente Popular disseram que o encontro vai ser marcado pelo caráter humanitário, sem clima festivo. Diversas personalidades de destaque nacional devem estar em Alagoas no domingo, como o presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, José Eduardo Dutra: “Dutra confirmou presença”, disse Joaquim Brito. “Ele está solidário com Alagoas e com a Frente Popular”. Outros líderes partidários devem confirmar presença nesta sexta-feira.