Postado em 03/03/2015 às 06:03 por Blog do Bernardino em Bernardino

Queixas: Sem Renan, a presidente Dilma promete terá reuniões semanais com aliados

Presidente nacional do PMDB, Temer minimizou a ausência do presidente do Senad, Renan Calheiros (AL), que avisou no fim da tarde desta segunda que não iria participar do encontro.

Jantar com a Dilma teve confirmada a ausência de Renan Calheiros

Tadeu Alencar/Agência Senado

Após passar as últimas semanas ouvindo reclamações do PMDB, seu principal aliado, a presidente Dilma Rousseff se reuniu com a cúpula do partido em um jantar no Palácio da Alvorada na noite desta segunda-feira (2) e combinou com a sigla que irá realizar reuniões semanais com os partidos da base aliada para tentar resolver o problema de relacionamento com o Congresso.

O presidente do Senado, Renan Calheiros confirmou tinha anunciado, não foi o jantar com Dilma. Renan Calheiros impôs a Dilma Rousseff uma vexatória desfeita. Reza a liturgia do poder que não se deve rejeitar convite de presidente da República para conversar. Chamado por Dilma para um jantar de reconciliação com o seu PMDB, Renan esnobou-a.

Para o vice-presidente da República, Michel Temer, a decisão irá gerar uma "integração com todos os partidos" porque "vai haver uma consulta maior, uma audiência maior e, portanto, uma participação maior". O peemedebista afirmou que esse tipo de reunião acontecia normalmente no primeiro ano do governo Dilma, em 2011.

"A decisão foi agora fazer uma reunião semanalmente com representação de vários partidos da coalizão e discutir todos os temas, não só aqueles que sejam remetidos ao Congresso Nacional mas aqueles que façam parte de ações do próprio Executivo", afirmou Temer ao fim da reunião, que durou cerca de três horas.

Ao ser questionado sobre a edição de uma medida provisória na última sexta-feira (27) que revisa as regras de desoneração da folha de pagamento sem que Dilma tivesse consultado o PMDB previamente, Temer reconheceu que a falta de diálogo por parte do governo foi um "suposto equívoco". "Nada como um suposto equívoco para gerar acertos. Esses acertos nascem a partir de hoje", disse.

Presidente nacional do PMDB, Temer minimizou a ausência do presidente do Senad, Renan Calheiros (AL), que avisou no fim da tarde desta segunda que não iria participar do encontro.

acesse>twitter@Bsoutomaior

E-mail>Bernardinosm01@hotmail.com

Postado em 02/03/2015 às 17:03 por Blog do Bernardino em Bernardino

Renan diz que não vai ao jantar com Dilma no Palácio do Planalto

No texto, Renan afirma que o presidente do Congresso "deve colocar a instituição acima da condição partidária". Mesmo assim, ele diz que considera o encontro um "aprimoramento da democracia".

Renan cancela ida jantar com Dilma

Agência Senado

O presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), divulgou nota na qual informa que não comparecerá ao jantar a ser oferecido pela presidente Dilma Rousseff à cúpula do PMDB na noite desta segunda-feira (2).

No texto, Renan afirma que o presidente do Congresso "deve colocar a instituição acima da condição partidária". Mesmo assim, ele diz que considera o encontro um "aprimoramento da democracia".

O objetivo da presidente ao reunir a cúpula do PMDB, segundo o G1 apurou, é sinalizar aos peemedebistas que ela pretende incluir a legenda nas decisões políticas do governo.

Além de Renan Calheiros, foram convidados para o jantar no Palácio da Alvorada o presidente nacional do PMDB e vice-presidente da República, Michel Temer, o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os seis ministros peemedebistas e os líderes do partido no Congresso Nacional.

Diante do tensionamento da relação com os peemedebistas, Dilma passou nas últimas semanas a emitir sinais de reaproximação com a sigla aliada. No último dia 5, na mesma semana em que foram realizadas as eleições que escolheram os presidentes da Câmara e do Senado, a petista recebeu no Palácio do Planalto Renan Calheiros e Eduardo Cunha. Temer e os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Pepe Vargas (Relações Institucionais) também acompanharam a reunião.

Padrinho político da presidente da República, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também entrou em campo para tentar aparar arestas entre petistas e peemedebistas, participando de um café da manhã, na última quinta (26), na residência oficial do presidente do Senado. Os principais nomes do PMDB compareceram ao encontro.

Conforme o Blog do Camarotti, o ex-presidente ouviu queixas de caciques do PMDB sobre a forma como Dilma conduz a área política do governo. De acordo com o Blog, Lula disse aos peemedebistas que foi um erro a estratégia do Planalto de isolar o PMDB nesse segundo mandato e defendeu a inclusão de um nome do partido no grupo de articulação política do governo.

Leia abaixo a íntegra da nota:

Nota Pública
02/03/2015 17:15

Decidi abster-me do jantar entre o PMDB, a Presidente da República e ministros, em que se discutirá a coalizão.

O Presidente do Congresso Nacional deve colocar a instituição acima da condição partidária.

Considero o encontro como aprimoramento da democracia.

Senador Renan Calheiros

acesse>twitter@Bsoutomaior

E-mail:Bernardinosm01@hotmail.com

Postado em 02/03/2015 às 17:03 por em Bernardino

Vice-prefeito de Arapiraca anuncia Centro de Convenções no lançamento do residencial Riviera

O empreendimento prevê a geração de mais de dois mil empregos diretos e indiretos, nos próximos dois anos.

No lançamento do projeto urbanistico do residencial Riveira do Lago, um dos maiores investimentos imobiliárioa de Alagoas, a grande noticia foi dada ao povo arapiraquense, pelo seu vice prefeito Yale Fernandes (PMDB),

aproveitou o momento para lembrar que a gestão da prefeita Célia Rocha já assegurou, por meio do empenho dos senadores Renan Calheiros (PMDB) e Fernando Collor de Mello (PTB), recursos da ordem de R$ 31 milhões para a conclusão da segunda etapa de urbanização do Lago da Perucaba. Também, disse Yale com o apoio do ministro de Turismo, Vinicius Lages uma emenda do senador Renan será liberada no valor de mais R$ 10 milhões para a construção do Centro de Convenções, que será edificado nas imediações onde funciona o Planetário Municipal.

“Hoje é um dia de mais uma importante conquista para Arapiraca, com a apresentação oficial deste grande empreendimento”, salientou o vice-prefeito peemedebista.

o vice-prefeito agradeceu o apoio e colaboração dos empresários com o time do ASA, por meio de patrocínio da camisa do clube que representa Arapiraca em nível nacional e internacional.

Yale fez questão de informar que esse lançamento da Riveira é uma parceria entre a empresa privada do grupo do visionário José Alexandre, ex-prefeito de Arapiraca do grupo Coringa e a prefeitura numa parceria que só vem para fortalecer o crescimento de uma Nova Arapiraca no Lago da Perucaba.

Jornalistas, radialistas e publicitários alagoanos participaram, na manhã desta segunda-feira (2), de uma entrevista coletiva para apresentação do projeto urbanístico do Residencial Riviera do Lago.

O evento aconteceu no auditório do Planetário Municipal e Casa da Ciência, no Lago da Perucaba, onde está sendo construído o empreendimento num dos mais belos cartões-postais de Arapiraca.

A prefeita Célia Rocha (PTB) e o vice-prefeito Yale Fernandes (PMDB), acompanhados do secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Ivens Leão, acompanharam a apresentação do projeto, que está sendo executado pelo consórcio formado pelos grupos Terral, empresarial José Alexandre e Urb4.

A coletiva com a imprensa contou com a presença do diretor-presidente do Grupo Terral, empresário Leonardo Gomes, José Paranhos, sócio-diretor da Urb4 e o industrial José Alexandre, sócio-proprietário do Grupo Coringa, que estão à frente do projeto do Condomínio Residencial Riviera do Lago.

O empreendimento, orçado em mais de R$ 25 milhões, está sendo construído em frente ao Planetário Municipal, em uma área com cerca de três milhões de metros quadrados.

De acordo com o empresário Leonardo Gomes, da Terral, serão disponibilizados mais de 500 lotes para construção de moradias de alto padrão, clube social, campos de futebol, piscinas para adultos e crianças, trilhas para caminhadas, áreas verdes, academia de ginástica, fraldário, serviços de bar, banheiros e toda uma infraestrutura para as pessoas viverem com qualidade, segurança e conforto.

Ele revelou que, na primeira etapa, serão ofertados 288 lotes com preços que variam entre R$ 120 e 130 mil reais.
Leonardo Gomes disse que a cidade de Arapiraca foi escolhida pelo seu potencial de crescimento econômico e sua localização estratégica.

Para o empresário José Alexandre, do Grupo Coringa de Arapiraca, a parceria é histórica e tem como foco principal continuar criando vetores de crescimento e desenvolvimento em todo o município.

O empreendimento prevê a geração de mais de dois mil empregos diretos e indiretos, nos próximos dois anos.

No encerramento da coletiva, o publicitário Gustavo Jangola informou que o lançamento oficial do Residencial Riviera do Lago está previsto para o próximo dia 19 de março, com um show musical com a cantora Milane Hora, uma das sensações do programa televisivo The Voice Brasil.

Acesse>twitter@Bsoutomaior

E-mail:Bernardinosm01@hotmail.com

Postado em 02/03/2015 às 16:03 por Blog Bernardino em Bernardino

Lessa participa de reunião para discutir crise da saúde em Alagoas

Ronaldo Lessa fez questão de enfatizar que discordâncias políticas foram postas de lado, sob sua coordenação a bancada está unida

Ronaldo Lessa fez questão de enfatizar que discordâncias políticas foram postas de lado, sob sua coordenação a bancada está unida

O coordenador da bancada federal de Alagoas em Brasília, deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL), reuniu-se na manhã desta segunda-feira, em Maceió, com dezenas de prefeitos e secretários municipais para discutir o grave momento pelo qual passa a saúde no Estado.

A reunião foi coordenada pelo presidente da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), Marcelo Beltrão. “É hora de unirmos forças em defesa de Alagoas, afinal, nosso Estado é o último em termos de repasses federais dirigidos à saúde”, disse Beltrão. Da reunião participaram, também, os deputados federais Marx Beltrão (PMDB)e Pedro Vilela,(PSDB) além dos estaduais Ignácio Loiola(PSB) e Bruno Toledo.(PSDB)

“Trata-se de uma situação caótica que perdura há mais de 20 anos”, esclareceu Lessa, que já foi prefeito de Maceió e ex-presidente da AMA. “Somos tratados como cidadãos de terceira categoria. Recebemos, em média, 30% menos, per capita, que outros estados da federação. Não há como os municípios suportarem isso, principalmente no que diz respeito aos procedimentos de média e alta complexidade”, esclareceu.

Ronaldo Lessa fez questão de enfatizar que discordâncias políticas foram postas de lado, sob sua coordenação a bancada está unida: “precisamos rediscutir o pacto federativo”, afirmou. “O governo federal fica com mais de 70% do que arrecada enquanto os estados e municípios vivem na penúria, tendo que manter os serviços essenciais de saúde com poucos recursos. Como se não bastasse, há o aspecto da judicialização, os gestores são obrigados a cumprir determinações da Justiça”, afirmou depois de ouvir do prefeito de Penedo (AL), Marcius Beltrão, que há medicamentos, solicitados por pacientes, que chegam a custar R$ 16 mil o frasco.

A presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde de Alagoas, Normanda Santiago, disse que estará em Brasília, nesta quinta-feira, para participar de reuniões técnicas, mas que é necessário apoio político para reverter esse quadro. “Em Alagoas, apenas 7% da população têm plano de saúde, o restante depende do SUS. São Paulo tem mais gente atendida pelos planos e mesmo assim recebe mais recursos. É injusto”, enfatizou.

O deputado federal Ronaldo Lessa afirmou ao final do encontro que a bancada de Alagoas vai trabalhar para tirar a saúde de Alagoas da UTI: “Vamos promover uma reunião dos gestores com o ministro da Saúde, vamos fazer com que o governo federal reveja essas medidas, principalmente agora, em clima de contingenciamento. Precisamos de mais recursos, não de cortes”, destacou.


acesse>twitter@Bsoutomaior

E-mail:Bernardinosm01@hotmail.com

Postado em 02/03/2015 às 13:03 por Blog Bernardino em Bernardino

Biu de Lira recebeu alta dr. Kalil no domingo saiu do Hosṕital Sirio Libanês

Ele foi direto para Brasilia onde retorna sua atividade parlamentar.

Benedito de Lira

Cada Minuto

0 senador Benedito de Lira, líder do PP no senado, recebeu alta do médico Roberto Kalil na noite de domingo, retornando a Brasilia. A informação foi dada ao blog do Bernardino, pelo vice prefeito de Maceió, Marcelo Palmeira.

Benedito fez todos os exames no Hospital Sirio Libanês, afirmando Palmeira que ele informou tudo normal.

Acometido de um mal-estar, quinta-feira passada, dia 26, disse Biu de Lira depois  do atendimento hospitalar  em Brasília e nessa mesma data decidiu, junto com minha família, viajar para São Paulo onde os médicos que fazem o meu acompanhamento indicaram exames mais detalhados.

 Segundo Marcelo Palmeira, graças a Deus, os referidos exames comprovaram que saúde do senador Benedito de Lira está dentro da normalidade, estando liberado para retornar às minhas atividades parlamentares, o que já fiz nesta segunda-feira.

 Biu de Lira, por intermédio do seu enteado Palmeira, disse  estou sensibilizado com as manifestações de carinho e solidariedade Ele gostaria de registrar seu profundo agradecimento aos amigos, colegas senadores, servidores do Senado Federal, mas sobretudo aos meus conterrâneos de Alagoas.

 

acesse>twitter@Bsoutomaior

E-mail>Bernardinosm01@hotmail.com

Postado em 02/03/2015 às 07:03 por Blog do Bernardino em Bernardino

Lula pede a Renan empenho para pacificar união Dilma com PMDB

Os petistas temem pelo PMDB no comando da Câmara dos Deputados e do Senado e o movimento pelo impeachment de Dilma lançado pela oposição.

Lula deixando a residência do senador Renan Calheiros

O Globo

Em meio à crise entre PT e PMDB que se espalhou pelos estados e coloca em risco a governabilidade da presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva começou um processo de pacificação com o principal partido da base aliada.

Para isso o ex-presidente Lula foi até Brasilia, tomar um café da manhã na residência do presidente do Senado, Renan Calheiros que contou ainda com a particiapções dos cardeais do partidos senadores Eunicio Oliveira(Ceará) e Romero Jucá(Roraima), além do ex-senador e ex-presidente da República José Sarney e o vice-presidente da Republica, Michel Temer. Renan é apontado por Lula como principal interlocutor do PMDB que pode ajudar nessa pacificação para dar governabilidade a Dilma Rousseff.

 A relação entre petistas e peemedebistas já dá sinais de reaproximação no Rio e em São Paulo. No entanto, em Pernambuco, Bahia, Ceará, Maranhão, Rio Grande do Norte, Piauí, Espírito Santo e Mato Grosso do Sul o discurso ainda é de enfrentamento, com reflexos no Congresso, tornando a tarefa de Lula mais árdua. Em Minas Gerais, a aliança também começa a apresentar desgaste.

Os petistas temem pelo PMDB no comando da Câmara dos Deputados e do Senado e o movimento pelo impeachment de Dilma lançado pela oposição. Sob pressão da Executiva Nacional, o PT fluminense foi em busca da reaproximação, e o presidente regional, Washington Quaquá, se reuniu com o presidente do PMDB fluminense, Jorge Picciani, na última quinta-feira.

— Chegamos a um consenso. Nós temos o entendimento pleno no Rio em relação a uma aproximação com o PMDB. A disputa regional foi um outro momento (a candidatura derrotada do senador Lindbergh Farias ao Palácio Guanabara no ano passado), estávamos em lados opostos, mas nacionalnente, não. (Eduardo) Cunha (presidente da Câmara), Leonardo (Picciani, líder do PMDB na Câmara) e (Jorge) Picciani serão importantes nesse momento para construir essa governabilidade. A presidente ganhou e é preciso respeitar o resultado das urnas — disse Quaquá, que admite ter desandado, no governo Dilma, a relação com a base. — Os partidos aliados deixaram de ser tratados como aliados e passaram a ser tratados como subalternos.

Quaquá, um dos defensores do rompimento com os peemedebistas no ano passado, sugere agora uma aproximação com Eduardo Cunha e uma conciliação com o PMDB para garantir a governabilidade e a provação de reformas propostas pelo PT. Depois de defender a candidatura do PSOL para a prefeitura do Rio, o petista também já fala em apoiar o PMDB na capital:

— O governo precisa melhorar a interlocução. O PMDB tem o vice, seis ministérios, é aliado. O PT precisa perder essa arrogância.

A interlocução entre PT e PMDB no Rio tem sido feita pela deputada estadual Rosangela Zeidan, mulher de Quaquá. Com perfil conciliador e atuação nos bastidores, ela articulou o encontro do marido com Picciani, após propor na tribuna da Alerj um entendimento entre os partidos. Zeidan também apoiou Picciani para a presidência da Casa.

A BRIGA NOS ESTADOS

São Paulo — O vice Michel Temer fez uma espécie de intervenção no estado para garantir a paz entre PMDB e PT. A relação foi desgastada com a campanha antipetista de Paulo Skaf (PMDB) ao governo. Temer e PT selaram entendimento que levou o ex-deputado Gabriel Chalita a se tornar secretário da gestão de Fernando Haddad (PT) na prefeitura paulistana.

Minas — Começam a surgir ruídos na relação entre PT e PMDB. Há um descontentamento do PMDB com o pouco espaço na gestão do governador Fernando Pimentel. Acusam o petista de ser centralizador e de não dividir o poder. As reclamações chegaram a Brasília, e os partidos trabalham para resolver as diferenças e evitar a saída do PMDB do governo.

Bahia — Presidente regional do PMDB e secretário nacional do partido, Geddel Vieira Lima faz oposição ao PT e defende o fim da aliança nacional. Mas afirma que o momento é de “conversar” em função da crise econômica.

Pernambuco — À revelia da aliança nacional entre o PT e o PMDB, a bancada peemedebista exerce forte oposição ao PT. Somente o prefeito de Petrolina, Júlio Lóssio (PMDB), tem interlocução com Michel Temer e assume a posição de aliado.

Espírito Santo — O PMDB isolou os petistas no estado. A eleição de Paulo Hartung ao governo e de Rose de Freitas ao Senado tornou o PT um partido periférico e com pouco peso político.

Rio Grande do Norte — O PT integra o governo de Robinson Faria (PSD), ao qual os peemedebistas fazem oposição. A derrota de Henrique Eduardo Alves (PMDB) levou o partido ao isolamento.

Maranhão — A relação entre os dois partidos extrapola as divisas do estado. O ex-presidente José Sarney demonstra mágoa com Dilma. Seu grupo político detectou interferência do Planalto na reta final das eleições ao governo, que elegeu Flávio Dino (PCdoB). Petistas integram a gestão Dino.


Ceará — Desde que o senador Eunício Oliveira (PMDB) perdeu a disputa ao governo para Camilo Santana (PT), ligado ao ministro Cid Gomes (PROS), peemedebistas e petistas romperam relações. O PMDB virou oposição.

Piauí — Os peemedebistas, derrotados ao governo pelo ex-senador petista Wellington Dias, lideram a oposição na Assembleia Legislativa junto com o PSDB.

Mato Grosso do Sul — O convívio pouco amistoso entre o senador Delcídio Amaral (PT) e o ex-governador André Pucinelli (PMDB) levou à eleição do tucano Reinaldo Azambuja para o governo do estado, do qual PT e PMDB não participam. São críticos à gestão tucana, mas atuam em separado.

Fonte: O Globo

acesse>twitter@Bsoutomaior

E-mail:Bernardinosm01@hotmail.com



 

Postado em 01/03/2015 às 18:03 por Blog Benrardino em Bernardino

Cunha só nomeia Arthur Lira para presidente da CCJ depois da lista de Janot

Em Brasilia ampliou o ambiente de apreensão instalado no mundo político.

Arthur Lira vai aguardar sinal verde do presidente Eduardo Cunha para ser nomeado presidente do CCJ

A notícia de que dois executivos da Camargo Corrêa fecharam acordo de delação premiada na operação Lava Jato ampliou o ambiente de apreensão instalado no mundo político em Brasília. Isso porque Dalton Avancini e Eduardo Leite são os primeiros executivos de uma grande empreiteira que aceitam colaborar com as investigações.

O temor entre parlamentares em Brasília é que isso estimule a delação de outros empreiteiros que já estão dispostos a falar. Entre eles, Ricardo Pessoa, da UTC, que está sendo pressionado pela família e que tem se queixado do abandono de autoridades de quem era próximo no passado

E por isso, o presidente da Câmara Federal, peemedebista Eduardo Cunha decidiu adiar a nomeação do deputado alagoano Arthur Lira(PP) para a cobiçada presidência da Comissão de Constituição e Justiça só depois que o  procurador-geral da República Rodrigo Janot, anunciou a lista de parlamentares envolvidos na Operação Lava Jato que deve ser encaminhada na terça feira para STF.

Arthur Lira aparece em duas listas.

Lira conseguiu se livrar da acusação da sua ex-esposa que teria sofrido agressão por ele, aliviando assim a pressão em cima do seu principal padrinho presidente Eduardo Cunha.

Agora é aguardar a lista do Janort, para então Eduardo Cunha anuncia o nome de Arthur Lira como presidente CCJ.

 

O caso com a ex-mulher

A mudança da versão de Jullyene acontece em meio a possível indicação de Arthur para assumir a presidência da Comissão de Constituição e Justiça, (CCJ) da Câmara Federal.

Em 2008 Arthur, que na época era deputado estadual, foi preso por uma equipe da Polícia Civil, (PC), comandada pelo, na época, diretor-geral da Polícia Civil, Marcílio Barenco, e os delegados José Edson e Rodrigo Rubiali, que cumpriram um mandado de prisão do desembargador Orlando Manso do Tribunal de Justiça, (TJ). A prisão foi decretada por acusação de obstrução da Justiça e ameaças a um oficial de Justiça.

Lira foi detido após a PC realizar buscas em uma das propriedades rurais do parlamentar, no seu apartamento na Ponta Verde e, por fim, no seu escritório político, no bairro da Pajuçara, onde recebeu a ordem de prisão.

Ele teria agredido e feito ameaças ao oficial de Justiça que tentava lhe entregar uma notificação para que fosse ouvido no processo movido por Jullyene. Mas a prisão foi revogada após deputados estaduais autorizarem a liberdade do colega parlamentar.

Em 2013, o Pleno do STF decidiu abrir ação penal contra o deputado Arthur Lira, acusado de lesão corporal contra a ex-mulher. O tribunal decidiu aceitar denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal e, com isso, o parlamentar passou a ser réu no processo. O relator do caso, ministro Luiz Fux, foi contrário à abertura da ação penal, seguido dos ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes.

O parlamentar, na nota enviada nesta sexta a imprensa, explica que essa é a terceira declaração da ex-mulher, negando a agressão. Segundo ele o Ministério Público Federal, (MPF), já tinha sido comunicado sobre o depoimento de Jullyene.

“Como muitas vezes acontece, o fim de ligações conjugais pode despertar sentimentos contraditórios, que levam, inclusive, a tentativas de denegrir, ofender e magoar o antigo cônjuge. Lamento que colocações errôneas, já corrigidas pelos próprios autores no âmbito judicial, sejam utilizadas agora, com o objetivo de me atingir politicamente”, divulgou Lira.

No depoimento original, Jullyene havia dito ter sido agredida com tapas, socos e chutes por Lira, na noite de 5 de novembro de 2006, em seu apartamento, no bairro de Ponta Verde, em Maceió. Na época, Jullyene disse que, ao abrir a porta para Lira, o deputado já entrou dando-lhe “tapas, chutes, pancadas” e a arrastou pelos cabelos.

No chão, Jullyene disse ter sido chutada, enquanto perguntava por que apanhava. Os dois estavam separados há sete meses.

Lira estaria indignado por ter ouvido relatos de que Jullyene foi vista aos beijos com outro homem. Segundo ela, Lira gritava:

- Você é uma rapariga, uma prostituta, uma quenga. Eu sou um deputado, você vai me desmoralizar!

Da cozinha, a babá dos filhos do casal, Elane Melo da Silva, outra testemunha do caso, disse no primeiro depoimento ter ouvido o barulho dos tapas e, novamente, Lira gritando:

- Eu vou dar em você de mão fechada, que é pra não deixar hematomas e ninguém escutar!

Elane contou ainda que ouviu o pedido de socorro da patroa, que implorava a Lira que não a matasse, mas preferiu não se envolver. Jullyene teria conseguido chegar à cozinha e pediu que a babá telefonasse para sua mãe, sogra de Lira.

Terceira testemunha do caso, Joilma Santos da Silva Lins, mãe de Jullyene e hoje ex-sogra de Lira, também mudou o depoimento. Na primeira versão, contou ter chegado ao apartamento ao lado do filho e ter visto Lira montado sobre Jullyene, no chão, espancando-a.

Júlio Cesar Santos Lins, o irmão de Jullyene, segurou Lira e o levou para a cozinha. O deputado mandou que ele saísse, mas Júlio se manteve na casa e tentou conversar com o cunhado. Lira foi embora.

Foi Júlio César quem levou mãe e filha à Delegacia da Mulher, para que fosse registrada a ocorrência. Um exame de corpo de delito identificou oito lesões em Jullyene.

Lira também depôs e disse nunca ter havido nada disso.

A babá também voltou atrás em seu depoimento e disse não ter dito nada daquilo. A mãe, Joilma, fez o mesmo. O irmão sequer lembra de ter visto a irmã machucada.

LAVA JATO

A Veja, em maio do ano passado, divulgou uma reportagem detalhando informações que a Polícia Federal, (PF), teria apreendidos documentos e estaria em poder das transcrições de ligações telefônicas, autorizadas pela Justiça, que comprovariam a relação do doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, com Arthur Lira e o pai, Benedito de Lira.

A reportagem informava que Youssef  teria indicado o presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos, (CBTU), com o aval de Benedito de Lira, que na época controlaria politicamente a estatal em Brasília e em Alagoas.

Conta Lauro Jardim que sob o patrocínio do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, (PMDB/RJ), Lira deve ser conduzido nos próximos dias à presidência da CCJ. Será, segundo o colunista, uma retribuição pelo apoio do PP à vitória de Cunha.

acesse>twitter@Bsoutomaior

E-mailBernardinosm01@hotmail.com

Postado em 01/03/2015 às 17:03 por Blog do Bernardino em Bernardino

Renan e o ministro Vinicius Lages foram os alagoanos destaque do programa Nacional do PMDB

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ressaltou que “a responsabilidade do cargo” para o qual foi eleito “exige reflexão, equilíbrio, humildade e perseverança para fazer mudanças que o atual momento do país requer”.

Renan e Vinicius, foram dois alagoanos em destaque no programa do PMDB

Esdras Mazoni/revista Municipal

Como já se previa, nenhum figurão do PMDB de Pernambuco apareceu no programa nacional do partido que foi ao ar na noite desta quinta-feira (26).

Esperava-se que fosse aberto espaço para os governadores e vices, entre os quais Raul Henry (PE), mas só tiveram direito à fala o vice-presidente Michel Temer, os presidentes da Câmara (Eduardo Cunha) e do Senado (Renan Calheiros), os líderes nas duas casas e os ministros do partido.

De Alagoas, foram destaque o presidente do Senado, Renan e o ministro do Turismo, Vinicius Lages, que estreiou assim no programa do PMDB, deixando Pernambuco de fora.

Ao abrir o programa, Michel Temer declarou que o Brasil está necessitando de uma “agenda positiva”.

“O PMDB fez as suas escolhas. A primeira delas é a reforma política de verdade, a outra é prestigiar a liberdade plena de informação. Também é nosso propósito defender a iniciativa privada”, disse o vice-presidente, que não fez qualquer alusão à presidente Dilma Rousseff.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ressaltou que “a responsabilidade do cargo” para o qual foi eleito “exige reflexão, equilíbrio, humildade e perseverança para fazer mudanças que o atual momento do país requer”.

“É meu dever escolher e colocar em pauta de votação temas de maior interesse da sociedade, que tragam benefícios aos brasileiros”, disse ele.

Já o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), citou a “longa caminhada” que percorreu antes de chegar ao cargo e disse que já foi iniciado por ele “o processo de votação de reforma política de verdade”.

Falaram também os ministros Eduardo Braga (Minas e Energia), Kátia Abreu (Agricultura), Edinho Araújo (Portos), Hélder Barbalho (Pesca), Eliseu Padilha (Aviação Civil) e Vinícius Lages (Turismo).

acesse>twitter@Bsoutomaior

Em>bernardinosm01@hotmail.com

Postado em 01/03/2015 às 15:03 por Blog do Bernardino em Bernardino

Em 5 dias na prefeitura de Anadia, tucano Dâmaso deu outro rumo a gestão

A situação encontrada pelo novo prefeito Paulo Dâmaso (PSDB), na administração do município foi desastrosa. Alunos sem transporte escolar, falta de medicamentos no hospital, servidores com salários atrasados, prefeitura sucateada, entre outras coisas.

Paulo Dâmaso prestando juramento na Câmara de Vereadores de Anadia substituido o José Augusto na prefeitura

Com a passação do prefeito José Augusto, que também, foi cassado do PPS de Regis Cavalcante, o Tucano Paulo Dâmaso assumiu a prefeitura, segundo ele encontrou um município completamente abandonado.

A situação encontrada pelo novo prefeito  Paulo Dâmaso (PSDB), na administração do município foi desastrosa. Alunos sem transporte escolar, falta de medicamentos no hospital, servidores com salários atrasados, prefeitura sucateada, entre outras coisas.

Diante do caso, Paulo Dâmaso imediatamente arregaçou as mangas e mostrou serviço em menos de uma semana no governo da cidade. Em parceria com o secretário de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, Osvaldo Chagas, o prefeito realizou a entrega de toda a merenda às escolas da rede municipal; disponibilizou 30 carteiras para a Escola Municipal Nossa Senhora da Piedade, possibilitando o inicio das aulas, fato que não havia sido viabilizado pela gestão anterior.

Na área de transporte, o prefeito assegurou a ida dos estudantes da Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL) e do Instituto Federal de Alagoas (IFAL) que estavam sem transporte e corriam risco de perderem o período letivo. Paulo Dâmaso disponibilizou também um transporte para servidores que fazem faculdade em Boca da Mata. Lembrando que há um convenio no pagamento, mas a gestão passada acabou deixando os estudantes em situação inadimplente.

No dia em que teve seu mandato cassado, o ex-prefeito do município havia tomado uma decisão desrespeitado com os estudantes universitários que utilizam o transporte para as faculdades de Maceió, ordenando que o ônibus não viajaria. Situação resolvida pelo prefeito Paulo Dâmaso que disponibilizou transporte para os alunos.

Na área da Saúde, o prefeito e a secretária Ana Rosa conseguiram normalizar o atendimento no Hospital Regional Rui Palmeira e o funcionamento das ambulâncias que estavam paradas. Com previsão para esta semana da reabertura do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)  do município e volta do fornecimento de medicamentos para a Farmácia Municipal.

 

O prefeito Paulo Dâmaso destacou o inicio de trabalho e garantiu que fará um trabalho que resgatará o município. “Ainda estamos iniciando os trabalhos, temos muito o que fazer, mas iremos transformar Anadia. O povo anadiense voltará a ter orgulho do seu município”. 

Postado em 01/03/2015 às 12:03 por Blog do Bernardino em Bernardino

Paulão apoia ações para reverter crise da Bacia Leiteira de AL

Segundo Paulão, a ideia é buscar recursos federais e projetos para socorrer os pequenos produtores que hoje não conseguem vender o leite, sobretudo após a repentina suspensão de fornecimento de mais de 70 mil litros por dia para uma indústria de laticínio de Sergipe.

Paulão com o secretário Álvaro Vasconcelos e o presidente da CPLA, Aldemar Monteiro

Agência Câmara

O deputado Paulão(PT) reuniu-se na noite desta terça-feira (24), em Brasília, com o secretário de Agricultura de Alagoas, Álvaro Vasconcelos, a fim de discutir estratégias capazes de reverter a crise da Bacia Leiteira e, ao mesmo tempo, fortalecer a agricultura familiar no Estado.

Segundo Paulão, a ideia é buscar recursos federais e projetos para socorrer os pequenos produtores que hoje não conseguem vender o leite, sobretudo após a repentina suspensão de fornecimento de mais de 70 mil litros por dia para uma indústria de laticínio de Sergipe.

“Os produtores alagoanos não conseguem escoar a produção e muitas vezes o leite acaba indo para o lixo. Para piorar a situação, a indústria sergipana baixou o preço que paga aos fornecedores e as demais indústrias  acompanharam. Agora, o leite é oferecido aos pequenos laticínios por apenas R$ 0,70”, observou Paulão.

Também presente a reunião, o presidente da Cooperativa de Produção Leiteira de Alagoas Ltda (CPLA), Aldemar Monteiro, disse que outra alternativa seria ampliar a distribuição de leite a famílias carentes.  Atualmente, o governo do Estado, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social, adquire 80 mil litros de leite por mês, por intermédio do Programa Social do Leite.  Na oportunidade, Monteiro apresentou pleito de ampliação para 120 mil litros de leite por dia.

“Isso vai significar geração de emprego e renda na região da Bacia Leiteira de Alagoas”, ressaltou o presidente da CPLA.
O secretário Álvaro Vasconcelos considerou que o apoio de Paulão será importante para buscar soluções para a crise do leite e também para alavancar a agricultura familiar.

Ele disse que uma medida urgente visando normalizar a produção leiteira será a reabertura da fábrica da Camila, no município de Batalha, e informou que outra ação da Secretaria de Agricultura é o fomento à produção de milho e outros grãos.

acesse>twitter@Bsoutomaior

E=mail>Bernardinosm01@hotmail.com
 
 

Postado em 01/03/2015 às 08:03 por Blog do Bernardino em Bernardino

Lula para Renan: "está chegando ao fim coalizaão do PT com PMDB

“Não tem mais agenda nem há quem sinalize quais são os próximos passos”, vazou um dos senadores.

Lula numa conversa reservada com Renan

Jane Araújo/Agência Senado

Na conversa de Lula com os senadores Renan Calheiros e Eunício Oliveira, além do ex-senador José Sarney, na última quarta-feira, o ex-presidente da República ficou com a impressão de que está chegando ao fim a coalizão do PMDB com o PT.

“Não tem mais agenda nem há quem sinalize quais são os próximos passos”, vazou um dos senadores.

O PMDB quer que o governo Dilma adote novas medidas de ajuste. Os cortes seriam feitos em gastos do governo ou benefícios concedidos aos mais ricos. Este foi o recado recebido pelo ex-presidente Lula, ontem pela manhã, na casa do presidente do Senado, Renan Calheiros.

Esse, mais o líder Eunício Oliveira e o ex-presidente Sarney disseram que “o ajuste não pode passar a percepção de que estamos cortando dos mais pobres”.

Desde quinta-feria(26), para acalmar o PMDB, o Planalto tem dito que o vice Michel Temer foi incorporado ao núcleo duro da presidente Dilma.

E acena com novas mudanças. Mesmo assim, os aliados são céticos.

Nas suas avaliações, o fato da coalizão ser apenas um título, e não uma prática, é o menor de seus problemas.

“Ser presidente é muito bom. Ser ex-presidente é muito difícil. É preciso escolher as palavras e os movimentos para não parecer indevido e criar problemas” Afirmou o ex-presidente, no café da manhã com o presidente do Senado, Renan Calheiros; o líder do PMDB, Eunício Oliveira; e, o ex-presidente José Sarney.

Na conversa de Lula, com os senadores Sarney, Renan e Eunício, estes lhe disseram que a coalizão não tem fundamento, não tem mais agenda nem há quem sinalize quais são os próximos passos. Mas o ex-presidente não avançou o sinal em direção a 2018. Os aliados querem uma bandeira para se enrolar, mas Lula não vai atropelar quem está na faixa preferencial.

Mas Lula não avançou o sinal em direção a 2018, para não atrapalhar o Governo Dilma.

Porém em Alagoas, esse divórcio pelo menos anda longe: o governador Renan Filho talvez fora de sintonia das conversas de Brasília, decidiu indicar o petista Ronaldo Medeiros como líder do seu governo e a outra banda do PT alagoano tem convocado o petista Judson Cabral, para comandar a massa fálida da Serveal.

E ainda tem como secretário de Estado, o ex-eletricitário Joaquim Brito que na sua gestão na extinta Ceal levou a empresa a falência. Brito é um dos fieis escudeiro de Paulão PT que ajudou derrubar Judson Cabral do sonho de consumo: presidente do PT e ainda foi derrotado na eleição de outubro do ano passado.

acesse>twitter@Bsoutomaior

E-mail:Bernardinosm01@hotmail.com

Postado em 28/02/2015 às 20:02 por Blog do Bernardino em Bernardino

Mauricio Quintella lamenta alta da energia.

Ele comentou que no recesso parlamentar circulou pelo Estados todo é a queixa só erra uma só: a queda de energia no município no total de 102.

O líder do PR na Câmara Federal, republicano Mauricio Quintella,, considerado a pedra no sapato da Eletrobrás, lamentou,Blog do Bernardino o reajuste da energia elétrica em todo o País, anunciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em função da escassez de chuva. O parlamentar ressaltou que Alagoas terá um dos menores reajuste em relação a outros estados.

"É lamentável esse reajuste na conta de luz, que é um serviço básico para a população. Mas, graças ao histórico combativo do povo alagoano e do nosso trabalho, na Aneel, contra os sucessivos abusos cometidos pela Eletrobras de Alagoas é o estado com o menor reajuste em relação aos demais do País", comemorou Mauricio Quintella.

Ele comentou que no recesso parlamentar circulou pelo Estados todo é a queixa só erra uma só: a queda de energia no município no total de 102. "A Eletrobras em Alagoas é um modelo terrível de vergonha, principalmente no litoral norte onde a rede de hotelaria sofre demais e se encontra ainda em crescimento.

De acordo com a Aneel, entre as 58 companhias listadas, o maior índice de reajuste será no Rio Grande do Sul (aumento de 39,5%). Em São Paulo, o aumento pode chegar até 38,5%.

 E Alagoas ficou com 4,5% e Pernambuco foi considerado o menor reajuste em comparação aos demais estados (2,2%). O percentual aplicado ao consumidor pela Celpe será ainda menor: 1,45%.